Um teatro dos horrores: Atlético 0x2 Chapecoense

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

 

Max Pereira
Do Fala Galo, em Belo Horizonte
31/10/2019 – 00h03

É verdade que o Atlético de ontem contra Chape e dos últimos tempos tem mostrado um time mal treinado e muito mal escalado.

E não é menos verdade que os problemas do Atlético vão muito além das quatro linhas.

A cada jogo fica mais e mais evidente o mau trato com o futebol do clube. Mau trato aqui significa ausência de planejamento de elenco, comando omisso e inapetente e preparo deficiente do time. Tudo isso associado a uma crescente desimportância política, a crises recorrentes e a uma gestão administrativa-financeira, ultrapassada, desastrosa e temerária.

Assim, não é de se estranhar que o time seja escalado com dois zagueiros lentos e pesados, um deles de 40 anos e, à frente deles, com dois volantes sem pegada e de recuperação limitada e ambos com 34 anos.

Antes do jogo, em entrevista no banco de reservas, o treinador da Chape disse, em alto e bom som, que exploraria essa escalação do Atlético e, para isso, escalou um time leve e jovem do meio para frente.

Não é o primeiro técnico adversário a fazer isso e, sem querer ser fatalista, não será o último a se aproveitar das deficiências do time escalado pelo treinador alvinegro de plantão e também de sua proposta tática, ultimamente sempre inadequada e ineficiente, antes com Rodrigo Santana e agora com o sempre e, hoje mais do que nunca, contestado Mancini.

E não é só isso: o que dizer de um sistema defensivo onde, um lateral direito que não sabe marcar é quase sempre encarregado, nas bolas aéreas, da marcação de um adversário no mínimo 20 cm mais alto?

O primeiro gol da Chape foi apenas mais um entre vários que o Atlético já tomou nessa temporada em lances desse tipo, seja com Guga em campo, seja com Patric jogando.

Os tempos do jogo foram diferentes, o que não quer dizer que o Atlético melhorou de um para outro ou que aconteceu alguma coisa digna de nota e que desse ao torcedor alguma alegria.

Na etapa inicial o Atlético foi irritantemente impotente. Mal posicionado, Nathan não sabia se armava o time ou se jogava como um terceiro volante, o que obrigou Otero e, principalmente, Luan a fecharem por dentro sem, entretanto, produzir algum resultado satisfatório com essas variações.

Fechada atrás, fazendo marcação baixa, a Chapecoense não correu riscos e, ainda na etapa inicial, já poderia ter feito o seu segundo gol, se tivesse sido feliz no contra-ataque.

Mal treinado e mal escalado como já dito acima, o Atlético é uma presa para qualquer adversário minimamente organizado.

Mandar a campo esse quadrado robótico, zaga e volantes, e não escalar Cazares logo de cara, em um jogo no qual a vitória era obrigação, só agradou a ala raivosa da torcida e à diretoria que está fazendo leilão do jogador. Um absurdo.

Sem o equatoriano faltou transição, fluidez e inteligência à equipe.

O segundo gol foi mera consequência de um rearranjo no quadrado letárgico para a acertada entrada de Cazares na etapa complementar, somada a mais uma falha pixotesca de Guga.

Não costumo tecer críticas pesadas a nenhum jogador, principalmente para quem tem o infortúnio de vestir o manto alvinegro em momentos hostis como este. Mas, que seja recebido como um alerta: Guga como marcador é uma excrescência. Pavoroso.

Léo Silva não voltou para o segundo tempo e Réver foi para a zaga com Igor Rabelo passando para o lado direito. Com Elias e Nathan, este uma vez mais improvisado, remanesceu uma linha de volantes de pouca pegada e o Atlético continuou sendo presa fácil para o time de Chapecó, caso esse encaixasse um contragolpe qualquer.

Sem ser brilhante, o único jogador que colocava a bola no chão e tentava jogar com lucidez era Cazares que deveria ter começado jogando.

Logo após gol de Everaldo, o equatoriano pôs a bola na cabeça do Pastor praticamente dentro do gol catarinense e o centroavante de 40 anos cabeceou para fora. Nas redes sociais, a culpa de tudo o que estava acontecendo nesse jogo era, para muitos atleticanos, era incrivelmente de Cazares.

Quando falo em um time mal treinado, quero dizer mal preparado tática, técnica, física, emocional e mentalmente.

Um time desestruturado em todos esses quesitos obviamente vai falhar em demasia e alguns jogadores irão mostrar com mais nitidez as suas deficiências.

O segundo gol do Índio Condá, marcado por Everaldo, mostrou, por exemplo, o nível de impotência do time atleticano fruto desse despreparo.

Elias saiu da marcação do Everaldo, cobraram vários torcedores. Ele percebeu a jogada, o jogador e não acompanhou, disseram outros. Não quis acompanhar ou não pôde? Prefiro, por várias razões, acreditar na segunda hipótese.

Di Santo perdeu o pênalti e muitos estão perguntando porque F. Santos, nosso melhor batedor, não assumiu a responsabilidade. Reza a lenda que, duramente vaiado durante todo o jogo, o veterano lateral esquerdo teria buscado se resguardar. Ficção ou fato? De qualquer maneira, preocupante e emblemático.

O time do Atlético nesse segundo turno tem se mostrado emocionalmente arrebentado. É isso é um fato inegável.

Os jogadores, no fundo, no fundo, também são vítimas, em que pese suas responsabilidades decorrentes de sua incapacidade reativa individual e coletiva.

O que mais se ouve aqui e ali é que o time do Atlético é horroroso. Eu diria o mesmo se o time estivesse jogando assim em um mar de rosas. Conhecendo o clube, a torcida e a imprensa, sei o que os jogadores estão enfrentando.

E, antes que digam que eu disse que o time do Atlético é maravilhoso, o maior do mundo, lembro que reconheci as deficiências do elenco, do time titular e de alguns jogadores em particular. Mas, reconheci, também, as variáveis que contribuíram, e muito, para o time jogar o que jogou ou não jogar o que poderia ter jogado ou jogaria em condições normais de temperatura e pressão.

Além da má fase e das limitações físico-atléticas de alguns jogadores e das deficiências apontadas acima, o time, nervoso e com a moral abaixo das travas das chuteiras, tem se tornado taticamente nulo, potencialmente negativo.

É nítido que o emocional em frangalhos acentuou as deficiências táticas e técnicas do time. Além disso, pesou fisicamente para alguns jogadores e mentalmente para todos.

Não tenha dúvida de uma coisa: uma cabeça e um emocional dançados não rendem nada.

Se não houver uma sacudida para valer iremos para segundona e sem volta à primeira divisão garantida. Mas, quem, dentro do clube, tem condições de dar essa sacudida? E como isso seria possível?

Sem ser apocalíptico, mas realista, não tenho respostas. E é isso que está me assombrando.

Demitir Mancini? Com ele ou sem ele, se não houver uma radical mudança de rota, o caminho sem volta será o rebaixamento. Porém, tudo o que o Atlético precisa agora ele não tem, ou seja, tirocínio e comando.

O comando central do clube é o grande responsável. Estão jogando o time e o próprio clube no buraco. Contam com a omissão do Conselho, com as matérias e as “notícias” da ala tendenciosa e perversa da imprensa e com a passionalidade e a irracionalidade de grande parte da massa.

Não é inacreditável que um time grande como o Atlético tenha chegado a esse ponto de deterioração. Para quem conhece a fundo o clube e o seu entorno, imprensa e torcida, nada é inacreditável.

Dizer que os nossos jogadores são péssimos e perdedores, sem atitude, é simplificar o problema, tirando de foco o que é essencial. Não, não é tão simples assim.

Repito: se o clube não for sacudido pra valer iremos pra segundona. Mas quem fará isso?

 

FALTA VERGONHA NA CARA

 

GOSTOU? Siga nossas redes sociais. Clique nos links abaixo e fique por dentro dos bastidores do Atlético.

Facebook: facebook.com.br/falagalo13
Instagram: instagram.com.br/falagalo13
YouTube: youtube.com.br/falagalo13
Twitter: twitter.com.br/falagalo13
Site: falagalo.com.br
Edição: Jéssica Silva
Edição de imagem: André Cantini 
Edição de texto: Angel Baldo

 

Angel Baldo

Mineiro de nascença, mas Paulista de criação. 30 anos, Administrador e Engenheiro Mecânico. Atualmente residindo na cidade de Uberlândia.

14 comentários em “Um teatro dos horrores: Atlético 0x2 Chapecoense

  • 31 de outubro de 2019 em 10:31
    Permalink

    A meu ver, o que segue acontecendo passa pela escolha do treinador, que continua cometendo os mesmo erros do treinador anterior, usando os mesmos jogadores que nos colocaram nesta situação. Quem o escolheu foi a diretoria, ela é a responsável. Porque já não mesclar alguns dos experientes com os jovens. Vejo uma total falta de visão nos dirigentes do clube. Temos jogadores no sub 20 que vão ser opção de velocidade para a equipe, contudo ninguém está percebendo a necessidade de mudança imediata? Enquanto perdurar esta covardia nada de novo será tentado. Este esquema de 1-4-5-1 já está falido é para covardes.

    Resposta
  • 31 de outubro de 2019 em 11:10
    Permalink

    O Josè,acima,està com razâo.o principal culpado de tudo è o treinador,pois escalar o time como escalou è sinal de total incompetencia ou burrice;o treinador da chape disse que iria explorar a deficiencia do Galo:um zagueiro de 40 anos,um zagueiro de volante e um meio campista,elias,que nâo marca ninguèm;Todo treinador jà sabe disto , coloca um time veloz e ganha o jogo.È REAL A POSSIBILIDADE DE IRMOS PARA A SEGUNDA DIVISÂO ANO QUE VEM!E ONTEM O TIAGO REIS DA ITATIAIA FEZ UMA DENUNCIA GRAVE:A DIRETORIA ESTÀ MASCARANDO O PUBLICO PAGANTE!È UMA VERGONHA O GALO JOGAR E A RENDA NÂO DÀ NEM 90 MIL REAIS!SUGIRO QUE ALGUÈM COMEÇE A MONITORAR O DINHEIRO DO ESTÀDIO RÀPIDO!TEM ALGUMA COISA PODRE NO GALO!

    Resposta
    • 31 de outubro de 2019 em 21:24
      Permalink

      Qdo Nathan jogou de volante fez dois Gols, tá ai a resposta. Elias, deve ser dispensando urgentemente. É Rever quem não se lembra fez parte da equipe do Rebaixamento, fraquissimo.

      Resposta
  • 31 de outubro de 2019 em 11:17
    Permalink

    EM TEMPO,A RAPOSINHA FALIDA NÂO VAI COMPRAR O LATERAL ESTRANGEIRO E COMO NÂO TEMOS NENHUM SERIA BOM DAR UMA OLHADA NESTE,JÀ QUE NA BASE,SE TIVER,NINGUÈM CONSEGUE JOGAR DUAS PARTIDAS INTEIRAS,POIS O EMPRESÀRIO QUE MANDA E DESMANDA NO CLUBE NÂO DEIXA;EM 55 ANOS ACOMPANHANDO O GALO,TENHO 63 ANOS,NUNCA VI UM TIME TÂO RUIM,SEM ALMA ,COM UMA DIRETORIA TÂO RUIM!E VOLTO A REPETIR:VERIFIQUEM O DINHEIRO DO ESTÀDIO!

    Resposta
  • 31 de outubro de 2019 em 11:28
    Permalink

    CLUBE ATLÉTICO MINEIRO (GALO)! TU ES MUITO GRANDE PARA SER COMANDADO POR PESSOAS TÃO BAIXA !!!!!

    Resposta
  • 31 de outubro de 2019 em 11:50
    Permalink

    Essa sacudida pode ser facilmente traduzida em pagamento de parte dos atrasados urgentemente. Não somente em dezembro, como disse o 7 naquele super pronunciamento dias atrás. Repararam que depois disso o time não jogou mais NADA?

    Resposta
  • 31 de outubro de 2019 em 11:53
    Permalink

    Bom dia! Minha educaçao nao permite que eu faça trocadilhos com nomes de pessoas, mas nao da para aguentar, o Rui Costa tem que ser chamado de Rui Bosta! Eu acho que ele fez estagio na Portuguesa de Desportos e la aprendeu direitinho como se faz para afundar um clube de futebol!

    Resposta
  • 31 de outubro de 2019 em 12:48
    Permalink

    Se o Galo perder para o Fortaleza, será um prenúncio para o rebaixamento. Lembrem-se de 2005: o Galo vencia por 2 a 0 e em 5 minutos tomou 3 gols. Os jogadores choraram e foram consolados pelos cearenses. Uma cena dura de lembrar. Diego Alves teve a carreira ameaçada tomando 3 gols em cinco minutos. Marco Aurélio foi demitido à época. Quando Lori Sandri entrou, perdeu 2 partidas e botou a molecada pra jogar. Zé Antonio, Tchô, Rafael Miranda, Lima, Bruno, Leandro Castan quase salvaram o GALO. Em 5 partidas, venceram 4 e empataram 1, mas já era tarde demais! Essa mesma garotada foi responsável pela volta do Galo à elite, inclusive Diego Alves que levou 3 gols em 5 minutos. Temo que isso aconteça novamente…

    Resposta
  • 31 de outubro de 2019 em 13:23
    Permalink

    Imprensa esportiva constituida de comentaristas fracos, levam o futebol mineiro a um nível cada vez mais baixo. Alguns dos jogadores que hoje são criticados foram aplaudidos por alguns desses comentaristas. Não estamos nos anos 60/80. Nessa época crack era feito em casa. Oswaldo Faria, Kafunga… estes caras nadavam de braçada. Hoje é necessário mais estudo, pesquisa, ética… Então, repito, o que vemos em campos mineiros retrata o nível de nossos comentaristas e daqueles que fazem o futebol.

    Resposta
  • 31 de outubro de 2019 em 15:55
    Permalink

    Boa tarde Massa!

    Concordo com tudo que escreveu. Também não consigo imaginar quem seria o responsável por “dar um murro na mesa” e chacoalhar a casa. Mas acho que se continuar nessa mesmice, a série B será a realidade de 2020. Creio que não seja só ele o culpado, mas já começaria a limpa pelo treinador que nem deveria ter vindo. Alguma coisa tem que mudar.
    É triste ver as coisas acontecendo e nada mudar. O GALO vai, ano a ano, se tornando um Botafogo, com todo respeito a este clube. Um time que só disputa, sem ambição de conquistas e sempre com sérios riscos de cair.

    Acorda CAM!!!

    Resposta
  • 31 de outubro de 2019 em 16:49
    Permalink

    É simples, o Atlético, foi e na maior parte da sua história comandado por incompetentes. Esta incompetência aparece através das dívidas, atrasos, escolha e montagem de elenco fracos. Afinal, quem contratou e mantém, Leonardo Silva (quem vive de passado é museu), Igor Rabelo, Guga, Fábio Santos, Patrick, Elias, Nathan, Ricardo Oliveira, fora mais uma dezena de péssimos jogadores, foi e é a diretoria. Omissa, incompetente, preocupada apenas em vender o Diamond. Com qual intuito, pagar dividas do clube do investir em F1? O Conselho do galo já mostrou ser fraco, apoia apenas os de sempre, nada muda, é muito jogo de interesse. Porque não é divulgado o salário de cada membro da diretoria? Falam dos diretores do Cruzeiro ganhando 400 mil e no galo? É diferente? O que fazem? Kalil disse há anos atrás que o CT do galo seria uma mina de ouro para revelar jovens, até hoje, quantos foram revelados? Impressionante como a estrutura humana do CAM é fraca. Ninguém dá a cara a tapa e depois todos vêm a mídia falar que precisam da torcida! Honestamente não ligo do time perder, mas que percamos com raça, disputando cada bola com carrinho e luta, que todos corram como 1 ou 2 correm o tempo todo. O Luan, mesmo com suas deficiências sai de campo exausto o RO nem fica suado, Fábio Santos só tem uma preocupação mostrar as coxas (não sei pra quem). Jogadores fracos, mal treinados e mal condicionados, preocupam mais em reclamar com o juíz, mesmo que o juíz dependa do VAR, do que jogar bola! Os caras ganham 100, 200, 600 mil Reais!!! E nem correm! Não sabe dar passe preciso de 2 metros, criatividade zero, toques para trás com medo de atacar. Rever, faz mais lançamentos corretos que a maioria do elenco e ele é zagueiro!! Saudade do Kalil que ia ao vestiário xingar até o Taffarel! Cadê o presidente? Sempre sumido, passeando pela Europa, onde está o resultado dessas viagens??? Ganhamos a Libertadores a 6 anos!!! 6 anos!!! e vamos sustentar jogadores por causa de um título até quando??? No Corinthians é assim, pode ser o melhor jogador em um ano, se no outro ano joga mal é mandado embora! Aqui não, a preocupação é tratar jogador de futebol como herói!

    Resposta
  • 31 de outubro de 2019 em 20:05
    Permalink

    JOGADORES ABALADOS EMOCIONALMENTE.???????
    SEM ESSA………
    ESSES SALAFRÁRIOS GANHAM 500 MIL REAIS .
    NA VERDADE ALÉM DE MUITO RUINS , ESTÃO FAZENDO CORPO MOLE PELO SALÁRIO ATRASADO.
    FORA SETTE CÂMARA.
    FORA SETTE CÂMARA.
    FORA SETTE CÂMARA.
    FORA RUIM BOSTA.
    FORA RUIM BOSTA.
    ELIAS R.OLIVEIRA E F.SANTOS SÃO OS CHEFES DA PANELINHA QUE ESTÃO REBAIXANDO O GALO.
    QUEM ESTÁ FRAUDANDO O PÚBLICO E RENDA DOS JOGOS.??

    Resposta
  • 31 de outubro de 2019 em 21:44
    Permalink

    Absurdo até agora esse lixo de treinador não ter sido demitido. Olha a lista de jogadores que essa porcaria está levando pra enfrentar o Fortaleza. Vai levar um chocolate. Será que ninguém vai parar esses repetidos erros?
    Fora Mancine!
    Fora Rui Costa, seu merda!!!
    Fora Sette encruzilhadas!!!!

    Resposta
  • 1 de novembro de 2019 em 11:16
    Permalink

    Consequência da falta de treinamento. Treino em campo reduzido, sem comprometimento, sem criatividade e sem seriedade.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *