R.I.P. Clube Atlético Mineiro

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

 

 

Prof Denílson Rocha
Do Fala Galo, em Belo Horizonte
16/10/2019 – 06h

Sou um Atleticano como a grande maioria: torcedor de arquibancada, que frequentou estádio desde criança, com família e amigos Atleticanos e que tiveram o Atlético como parte da formação da própria personalidade. Não tenho amigos (ou inimigos) no Clube, não conheço as pessoas que estão à frente da Instituição e não sei dos bastidores. Nunca estive em torcida organizada. Aprendi a ouvir os jogos no rádio, depois a assistir na TV e ir ao Mineirão, e, agora, acompanho as notícias na internet. Ou seja, um típico torcedor.

Nasci em 1970, pouco antes do Galo ser campeão nacional – ainda não entendia isso na época, mas já estava neste mundo para presenciar o Atlético Campeão Brasileiro. Das primeiras lembranças da infância tenho a imagem do goleiro Ortiz – meu primeiro ídolo no futebol. E logo me lembro como meu pai se sacrificou para guardar uns trocados e me presentear com um uniforme igual ao do goleiro – era daqueles uniformes de fio pesado e o número comprado solto para ser costurado por minha mãe naquela camisa tão especial.

Nos jogos de bola na rua de terra ou no jogo de botões, os gols eram narrados com um inconfundível “Adivinhe!!!!!”, bordão do saudoso e inigualável Vilibaldo Alves. Como criança, cada jogador no time da rua ou no time de botão receberia o nome de um dos atletas que nos representavam no Mineirão. João Leite, Luisinho, Cerezo, Paulo Isidoro, Éder, Reinaldo… e tantos outros que nos davam orgulho.

Chorei na desclassificação de 1981. Mas aquele sofrimento nos fez mais unidos e mais Atleticanos que nunca. Injustiçados. Roubados. Mas honrados. Em um momento de redemocratização no país – ainda que a criança entrando na adolescência não compreendesse completamente o que era aquilo –, ser roubado pelo time da ditadura não era vergonhoso. Era uma honra ser o adversário dos escolhidos da TV, dos escolhidos dos generais. Era uma honra ver a comemoração do Rei lembrando os Panteras Negras.

A adolescência foi na casa do Sr. Aldo – o vizinho bondoso que abria as portas de casa para receber todos os muitos garotos da rua. Era onde nos encontrávamos para ir à missa, aos jogos do Galo (uma dúzia amontoada em uma Brasília) e colocar a conversa em dia. Ali, os laços de família e de Atleticanidade eram reforçados a cada dia. Ainda hoje, quase quatro décadas depois, as amizades se mantêm. E quando falta assunto, o Galo nos dá motivo para ligar ao amigo, ao irmão.

Já depois de adulto, formado e estabelecido, a relação com o Clube afeta a tudo. No fatídico rebaixamento, mais uma vez chorando, deixei de me encontrar com a então namorada (atual esposa) e até hoje sou cobrado por isso. O amor incondicional pelo Galo foi abertamente explicado como parte do casamento: é possível trocar a esposa, mas o Atlético, jamais.

Pouco depois veio o primeiro contato com alguém do Atlético. Participando de um congresso de Administração em uma capital nordestina, a programação coloca um debate sobre gestão esportiva. Lá, o então presidente do Grêmio, Paulo Odone, e o ex-presidente do Galo, Ziza Valadares. Na plateia, apareceram vários gremistas com suas bonitas camisas. Do Galo, só eu. Único exemplar Alvinegro.

Já em 2009, me juntei a um pequeno grupo de pessoas bem-intencionadas que levaram ao presidente Kalil uma série de sugestões. Tratávamos do programa de sócio-torcedor, de relacionamento com a torcida, de marketing esportivo, de gestão, de licenciamentos, de ampliação de receitas… Ousadia de alguns profissionais sérios e reconhecidamente competentes em suas profissões. Uma pequena oferta de ajuda a um Clube que já padecia. Infelizmente, as propostas – hoje sendo aplicadas nos clubes de referência mundo afora – foram parar em alguma gaveta ou diretamente jogadas no lixo.

O ex-presidente Kalil conseguiu alguns dos maiores resultados esportivos do Atlético e foi alçado ao posto de mito. Seus méritos são inquestionáveis. Mas muitos teimam em não enxergar os erros. As conquistas e um jogador de nível mundial não foram aproveitados para ampliar a marca, criar reconhecimento do Atlético internacionalmente, ampliar licenciamentos e receitas. Pior, as dívidas foram multiplicadas. O Galo ganhou muito dentro e fora de campo. E o Galo gastou muito mais. Situação que permaneceu na gestão Nepomuceno. Ousadia para trazer jogadores consagrados e falta de responsabilidade ao gastar o que não tinha.

Não questiono o discurso de “austeridade” do atual presidente – era necessário porque o clube estava falido. Podemos até questionar as contratações infelizes, mas houve, efetivamente, redução de despesas, pagamento de dívidas e recuperação da credibilidade. Só que nada disso tem sentido sem o que faz o Atlético existir: o futebol. Não adianta arrumar a casa, ajustar as contas e deixar o futebol piorar a cada dia, afastar a torcida.

Em um texto anterior, estava orgulhoso em ver como a torcida tinha retornado aos estádios com um sentimento que havia se perdido há décadas. Estávamos lá pela camisa Alvinegra. Não importava que o time era horroroso, que os jogadores eram medíocres, que não brigaríamos por títulos. Estávamos lá por um sentimento único de Atleticanidade. Não há explicação para esse sentimento. Atleticanidade deveria ser colocada no dicionário. E a palavra deveria ser tratada como se faz com “saudade”, que não tem tradução ou uma explicação simples. Atleticanidade é apenas para sentir e torcer contra o vento.

Porém, o tempo passa, as coisas mudam (ou permanecem iguais?) e a gente se entrega…

Os últimos meses foram para reavaliar o que é ser Atleticano. Por que se manter em uma religião que pouco nos traz de alegrias ou mesmo de esperanças em dias melhores? Não estamos falando de uma sequência terrível em campo, da incompetência dos diretores ou da omissão do conselho. Já passamos por isso em situações anteriores e estávamos lá para segurar o Galo. Imortal! Eterno!

Mas é estranho se preparar para os jogos contra Palmeiras, Flamengo e Grêmio e estar pronto para as derrotas. Esperar passivamente por derrotas. Pior, é estranho terminar cada um dos jogos e continuar do mesmo jeito, sem reação, sem revolta, sem raiva – era esperado perder. O pior que poderia acontecer não era perder os jogos, era perder o sentimento, a Atleticanidade. O pior é a indiferença.

De quem é a culpa pela situação atual?

É dos donos do Clube, famílias tradicionais que se apossaram do Atlético e mandam e desmandam. Escolhem quem pode se candidatar ao conselho. Colocam seus filhos como beneméritos, cargos vitalícios para eternizar sua posse e garantir que os Coronéis continuem donos do pasto.

É dos conselheiros, gados manipulados pelos donos do poder. São os que só são aceitos nas chapas e não podem falar. Vaquinhas de presépio.

É de diretores que só permanecem nos cargos enquanto aceitam os mandos e desmandos. Enquanto se vendem por um punhado de dinheiro no final do mês ou nem isso – “são abnegados”.

É dos atletas. Passivos, acomodados, em eterna colônia de férias. Os que não têm ambição pela vitória, pela conquista. Alguns já têm seus nomes eternizados por títulos e perderam o desejo de novas conquistas. Outros, nunca ganharam nada além dos nababescos salários e também não saberão o que é ter títulos ou ser idolatrados porque se entregaram à mediocridade (se é que podem ser chamados de medíocres porque acho que estão abaixo deste nível).

É culpa da torcida também. Das organizadas que se vendem por meia dúzia de ingressos, por um ônibus para “excursão” ou por manter os privilégios de usar a marca do Clube para comercializar seus produtos. Também é culpa minha ou dos demais torcedores “comuns” que ficamos nas redes sociais reclamando, choramingando, cornetando. Sempre há as exceções, como alguns poucos que tiveram a coragem de ir à porta da sede questionar o que vem acontecendo.

As soluções não estão dentro do prédio na avenida Olegário Maciel ou no Centro de Treinamento. A solução está nas ruas – mas quem está disposto a ir para as ruas? É mais cômodo permanecer esperneando no Twitter ou no WhatsApp.

Da minha parte, desisti. Ontem foi o dia do sepultamento do Clube Atlético Mineiro. Fará parte das minhas melhores lembranças, mas não estará mais em minha vida. Pode parecer o infantil que queima a camisa, quebra o cartão do GNV ou cancela o PPV para voltar logo depois da primeira vitória. Pode parecer o bipolar que faz as contas para os 45 pontos e depois se empolga para cobrar que o time medíocre seja campeão brasileiro. Mas, não… é a decepção de quem vê que o clube (agora em letras minúsculas) tem dono. É a decepção de quem vê um clube minguando, sendo diminuído, reduzido e que perdeu sua grandeza. E o mais importante, é a decepção de quem não vê um futuro minimamente decente. Acabou a esperança.

Como a morte de um ente querido, é necessário recolher seus pertences e dar o devido encaminhamento. É preciso organizar as coisas de quem já não estará mais ao nosso lado. Então, ontem foi dia de cancelar o PPV, de separar as camisas a serem doadas, de deixar de seguir o influenciador na rede digital. A tatuagem permanece para mostrar o amor eterno por aquele Atlético que já não existe mais, e só permanece em nossas memórias. O Atlético morreu e seus assassinos têm nome e sobrenome de famílias tradicionais. Que, então, descanse em paz.

 

****”No Atlético, nas torcidas organizadas e nos torcedores em geral, há pessoas sérias e competentes. Não se deve generalizar. O texto não tem o intuito de colocar todos no mesmo “balaio”, mas tão somente expor as desilusões que nós, Atleticanos, estamos vivendo.
Especialmente a fala de indicação de parentes aos cargos no Conselho causou uma legítima reprovação das pessoas éticas que não compartilham desta prática. A estas, meu sincero pedido de desculpas.”

 

LEIA TAMBÉM:

Atlético insiste em contratos longos e se vê preso a jogadores com baixo rendimento

 

Tiago Nunes, Fábio Carille e Roger Machado: Atlético-MG trabalha com 3 nomes e um assumirá o comando da equipe em 2020

 

Saiba o motivo da não vinda do técnico Cuca para o Atlético Mineiro

 

GOSTOU? Siga nossas redes sociais. Clique nos links abaixo e fique por dentro dos bastidores do Atlético.

Facebook: facebook.com.br/falagalo13
Instagram: instagram.com.br/falagalo13
YouTube: youtube.com.br/falagalo13
Twitter: twitter.com.br/falagalo13
Site: falagalo.com.br
Edição: Ruth Martins
Edição de imagem: André Cantini  

Angel Baldo

Mineiro de nascença, mas Paulista de criação. 30 anos, Administrador e Engenheiro Mecânico. Atualmente residindo na cidade de Uberlândia.

14 comentários em “R.I.P. Clube Atlético Mineiro

  • 16 de outubro de 2019 em 08:46
    Permalink

    Enquanto o Inter vai atrás do Eduardo Coudet (Campeão Argentino) nós ficamos com Vagner Mancine técnico de segunda divisão, essa gestão Sette Camara ligou o turbo para apequenar o Galo e quem pode para-lo???? mais um ano de gestão Sette Camara pode ser letal ninguém vai fazer nada?? esse cara tá acabando com o Galo, tá quebrando o Galo em todos os sentidos um dos piores presidentes da história FORA SETTE CAMARA!!

    Resposta
    • 16 de outubro de 2019 em 15:01
      Permalink

      Parabéns pelo artigo. Retrata meu sentimento atual com relação à diretoria do Galo.
      Mas lembre-se sempre que nas adversidades, o atleticano sempre torce contra o vento!
      Aqui é Galo, porra!!!!

      Resposta
  • 16 de outubro de 2019 em 08:52
    Permalink

    DA AS CAMISAS PARA MIM POIS AMO ESTE GALO MESMO NÃO MERECENDO!

    Resposta
  • 16 de outubro de 2019 em 09:12
    Permalink

    #FORA7
    #FORABANDODEVAGABUNDOS

    Resposta
    • 16 de outubro de 2019 em 10:02
      Permalink

      Uai Denilson, se Você realmente enterrou o Clube Atlético Mineiro de sua vida e pensa em doar suas CAMisas,pode me presentear com uma seja de qual modelo for,que será muito bem vinda e recebida.
      Apesar que acredito que Você não abandonará o Nosso Galo de Todo Dia!!!

      Resposta
  • 16 de outubro de 2019 em 09:59
    Permalink

    Minha história é parecida, nasci em 67 e meu primeiro contato com o Galo foi em 77 quando do Atlético X São Paulo onde fomos vice campeão invictos. Ví várias vitórias com o time, mas título importante que ví nesses meus 52 anos foi em 2013 e 2015. Dava gosto de ver jogar. Quando o Galo entrava em campo, principalmente no HORTO não se perguntava se ia ganhar, mas sim de quanto. De lá pra cá voltamos as origens, sem ganhar nada mais, nem a “porcaria” do mineiro. Realmente, concordo com o amigo acima. O GALO morreu. O problema da falta de esperança é que os torcedores não querem mudar, querem continuar na mediocridade. Se todos nós abandonássemos os estádios por pelo menos 1 mês. Nada de PPV, nada de rádio, nada de TV. Quem sabe haveria alguma mudança. Começar do zero. Manda todos embora, chama a BASE e começa de novo. Como se fosse outro time. Nenhum jogador de hoje, nem técnico, nem preparador, nada tudo do zero. Todos novos. Mesmo que hoje no meio existam profissionais bons. Mas é a essência da coisa. CRIAR UM NOVO TIME, NOVO CLUBE. Destituir todos os conselheiros, presidente, vice, secretário, diretor. Aí quem sabe daqui as uns 20 anos tenhamos um time competitivo de novo. Já faz 48 anos que não ganhamos o campeonato nacional, e vamos pra mais 50 sem ganhar. Então, 20 anos é pouco a se esperar diante de tamanha mediocridade.

    Resposta
  • 16 de outubro de 2019 em 10:01
    Permalink

    SETTE CÂMARA PRECISA SER DEPOSTO , É A ÚNICA SAÍDA. RUIM “COMISSÃO ” COSTA PRECISA SER DEMITIDO IMEDIATAMENTE.
    ELIAS , R.OLIVEIRA E CAZARES PRECISAM SER ESCORRAÇADOS E PROIBIDOS DE ENTRAR NO CT.
    A MUDANÇA COMEÇA POR AÍ.

    Resposta
  • 16 de outubro de 2019 em 10:36
    Permalink

    Meus aplausos a esse abnegado torcedor/escritor da coluna de hoje.
    Eu não digo que tenha, ainda sepultado o meu querido Galo, mas com certeza enquanto Elias, Fábio Santos, Patric e Ricardo Oliveira estiverem no elenco, não vou torcer mais. Cansei! Chega! Hoje, mesmo não perderei meu tempo em assistir ao jogo. E pra ser bem sincero, se o CSA vencer e isso, de alguma forma, trouxer mais prejuízo às marias, então, que vença o time alagoano. Nunca imaginei que chegaria a esse ponto de me desinteressar pelo Galão da Massa, meu clube do coração, mas, infelizmente, como o clube foi assaltado por uma quadrilha maldita, liderada por Kalil, SEtte, e uma corja fdp de empresários que obrigam treinadores a escalar seus pupilos, pra mim já deu. Chega!!!

    Resposta
  • 16 de outubro de 2019 em 12:35
    Permalink

    Que exagero.
    Espero mesmo que este tipo de torcedor desista do Galo. Até prefiro. Porque pelo menos, se deixarem de falar merda nas redes sociais, já será uma grande ajuda.

    Resposta
  • 16 de outubro de 2019 em 12:36
    Permalink

    Eu, com exceção dos resultados a curto prazo, estou num dos momentos mais otimistas da minha vida, com relação ao clube.
    Acho que o que está sendo plantado será colhido durante muitos e muitos anos. Vamos ter um clube sólido, que vai brigar por títulos todos os anos, com consistência, não é porque deu a sorte do R10 cair no nosso colo e nem do pé esquerdo do Victor.

    Resposta
  • 16 de outubro de 2019 em 12:37
    Permalink

    Na década de 90 sim, eu olhava pro futuro e não via NADA. Pensei que jamais veria o Galo vencer uma Libertadores. Hoje eu tenho esperança de ver o GALO ganhar Brasileirão e Libertadores. E nem acho que vai demorar tanto tempo. É só ter um pouco de paciência e não atrapalhar.

    Resposta
  • 16 de outubro de 2019 em 14:14
    Permalink

    Parabéns Angel Baldo.

    Resposta
  • 16 de outubro de 2019 em 14:21
    Permalink

    Belo texto Denilson…a visão do futuro é que desanima…não vemos mais mudança no clube…o clube é usado ($$) por meia dúzia de famílias…E a transformação em CluBE SA não é a solução, ai que num futuro teremos donos ou um dono, que vai usar o clube como acontece nas ligas inglesa e espanhola…Saudações.

    Resposta
  • 18 de outubro de 2019 em 10:24
    Permalink

    O sentimento é bem esse, não assisto mais partidas do Galo esse ano, não vale a pena…

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *