Rodrigo Caetano cobra CBF sobre a arbitragem e dispara: “Está passando do ponto”

Por: Hugo Fralodeo, do FalaGalo, em Belo Horizonte

Em entrevista coletiva concedida no fim da manhã desta quinta-feira (12), na Cidade do Galo, o Diretor de Futebol Rodrigo Caetano, entre outros tópicos, falou sobre o assunto que tem atormentado diretoria e Massa, a arbitragem. Em tom de indignação e cobrança, o diretor desabafou sobre a narrativa construída em torno de um eventual beneficiamento ao Atlético em marcações de pênalti no ano passado e no eventual reflexo que isso trouxe à marcações polêmicas contra o Galo nos últimos jogos:

“Penso que tem reflexo sim (a narrativa criada em torno de que o time teria sido beneficiado na temporada passada). Nós vivemos em um país que, infelizmente, hoje em dia, as redes sociais têm um peso enorme, manifestações de outros clubes no ano passado, de forma até exagerada, querendo diminuir a qualidade do trabalho e até o mérito da conquista do Galo através desses detalhes. Isso não foi só no ano passado, neste ano, não por acaso, o absurdo do Hulk (ter sido) denunciado no STJD. Nós sabemos como é composto o STJD, da identificação de vários auditores com determinados clubes, talvez, muito provavelmente através de um comentário em rede social, o Hulk, que tomou o cartão amarelo, que foi punido pelo amarelo, foi denunciado. É algo lamentável.”

Sobre o lance mais polêmico no empate contra o RB Bragantino na noite de ontem, Caetano subiu o tom e reiterou que a diretoria do clube está empenhada em buscar explicações para as decisão da remarcação do lance em que foi assinalado pênalti para o Atlético e expulsão para o zagueiro do clube de Bragança que cortou a bola com a mão:

“O lance de ontem, outro absurdo, porque todos nós sabemos a regra. A gente faz um investimento, nós temos aqui um consultor de arbitragem que vem dar palestra aos atletas e informa a eles, não só das regras, mas também das orientações. Não sei se mudou a orientação agora com o (Wilson) Seneme (novo chefe de arbitragem da CBF), acho importante ele dizer, porque verdade seja dita, ontem foi inacreditável o lance em que foi anulado o pênalti e o cartão vermelho que certamente mudariam a história do jogo. São fatos recorrentes, os quais nos deixam preocupados em relação ao futuro, porque o árbitro está ali e ele tem que ter isenção, ele não pode ficar apitando o jogo conforme o passado histórico. Lamentamos e esperamos que isso não se repita, nosso presidente já foi à CBF, nós cumprimos o rito desejado pela CBF, mandamos os ofícios, mandaremos novamente, pedindo explicações sobre aquele lance polêmico de ontem, polêmico não digo, absurdo, melhor dizendo, da anulação do pênalti e do cartão vermelho para a equipe adversária. Mas é algo que nos preocupa, lances que são para o Galo são interpretados de uma forma nesse ano e de outras equipes de outra forma. O lance do Guga também (contra o Goiás), foi outro absurdo. Em qualquer outra partida o jogador teria recebido o cartão vermelho e aí pro Galo não é nem chamado pro VAR. Aí no pênalti no final do jogo contra o Goiás, o árbitro não dá o pênalti e é chamado pelo VAR, quero dizer, no mínimo está estranho.”

Ainda sobre o tema apito, o diretor explicou as atitudes que o Atlético tem tomado e reforçou que, se preciso, conta com o apoio da imprensa para falar sobre o tema todos os dias e para que o assunto repercuta nacionalmente:

“Como profissional eu tenho que fazer aquilo que é orientação da CBF para os nossos questionamentos e obviamente que o nosso presidente e o nosso órgão colegiado já está fazendo, têm ido lá, têm questionado os porquês e uma coisa é certa, nós não vamos nos calar, isso é certo. Se esse reflexo que nós estamos sofrendo agora é por conta da narrativa, se precisarmos vamos falar todos os dias aqui. Em algum momento nós contamos com todos vocês (imprensa), para que isso ecoe para fora do nosso estado, porque nós precisamos dessa força. Lamentavelmente, a gente sabe que foi muito difícil as nossas conquistas do ano passado e me parece que toda vez que nós ganhávamos, toda vez que confirmávamos, era uma surpresa, parecia que não poderia acontecer. Espero que o que não possa acontecer agora é que sejamos prejudicados de forma clara e evidente. Uma coisa é interpretação, outra coisa é a não aplicação da regra. Está passando do ponto e a gente vai fazer tudo que estiver ao nosso alcance”.

Vindo de quatro partidas sem vitória por todas as competições, o Atlético volta a campo neste sábado, quando recebe o cara Goianiense no Independência, nestas sábado às 19 horas (de Brasília), para tentar quebrar esta sequência negativa, em jogo válido pela 6ª rodada do Brasileirão.