Os 6 estrangeiros do Galo, cabe mais? Sai alguém?

Foto: Flickr Atlético

 

Por: Betinho Marques

O Atlético acena uma nova gestão para o triênio 2021-2023 com novas possibilidades. A todo momento a expectativa de chegada de atletas além da terra “brasilis” aparece, contudo, as limitações de relacionar até cinco (5) “forasteiros” em competições nacionais, por jogo, impede mais mobilidade comercial de forma globalizada.

Listamos os seis atletas do elenco atleticano com números básicos de desempenho para permitir algumas análises do torcedor, contudo, sem esgotar o assunto.

1 – Alan Franco – A evolução do volante

O equatoriano de 22 anos, viveu um período de adaptação até conseguir emplacar boas partidas. Ao ganhar o Mineiro 2020, foi repercutida pela imprensa a perda do pai de Franco, que celebrava a taça junto à foto do seu patriarca que tinha falecido há pouco tempo.

O tempo foi passando e “índio atleticano” ganhou respeito da Massa. Aos poucos, foi conquistando o entendimento do torcedor, apesar de nem tanto aparecer. Foi se tornando quase que indispensável ao esquema de Sampaoli, uma espécie de evolução do volante. Preenchendo espaços e gerando mais equilíbrio tático ao time, Franco entende onde há o “buraco” durante o jogo e faz o reparo do problema com uma leitura ágil da “avaria” ou situações de perigo. Não é um criador, mas cria. Não é um simples volante, mas fecha espaços com inteligência. É um leitor do xadrez e uma peça atuante dele.  No Galo é o terceiro em desarmes.

Resumo no BR20: 

 

  • Minutos jogados – 1239;
  • Jogos – 19;
  • Iniciando – 14
  • Gols – 3
  • Assistências – 0
  • Equivalência minutos em jogos – 13,77
  • Média de minutos por partida – 65,21 

 

2 – Dylan Borrero – Joia descartável?

O meia-atacante colombiano chegou ao Atlético com status de joia. Com 19 anos atualmente, o jogador veio do Independiente Santa Fé – COL, mas pouco jogou. Ao todo desde sua chegada, são nove partidas. No Brasileirão, apenas 5 jogos, com poucos minutos jogados. Ser jovem, de um outro país, ainda é um aspecto que interfere no rendimento. Recentemente, Borrero junto com o parceiro Marrony tiveram seus nomes veiculados em notícias não esportivas, após participarem de uma festa, com crítica muito forte da torcida devido ao período de pandemia. Dylan é o menos utilizado dos seis estrangeiros do Galo.

Resumo no BR20: 

 

  • Minutos jogados – 123;
  • Jogos – 5;
  • Iniciando – 1
  • Gols – 0
  • Assistências – 0
  • Equivalência minutos em jogos – 1,37
  • Média de minutos por partida – 24,60

 

3 – Júnior Alonso – Presente!

Nas graças da Massa! Alonso, o paraguaio de 27 anos, poucos sorrisos e carisma inverso conquistou a torcida do Atlético. Entendedor de conceitos táticos e técnicos, Alonso é presença na defesa, na lateral, no meio e até no ataque. Até aqui, em todas as partidas que jogou, em nenhuma foi substituído. Alonso só saiu do time em convocações para a seleção paraguaia ou quando cumpriu suspensão automática. O paraguaio é o segundo do time em aproveitamento de passes com 87%, só perdendo para Réver que também tem excelência no quesito de 89%.

Resumo no BR20: 

 

  • Minutos jogados – 1890;
  • Jogos – 21;
  • Iniciando – 21
  • Gols – 0
  • Assistências – 2
  • Equivalência minutos em jogos – 21,00
  • Média de minutos por partida – 90,00

 

4 – Savarino – Da Venezuela?

O venezuelano Jefferson Savarino (24), chegou ao Atlético como jogador da confiança de Rafael Dudamel em fevereiro de 2020. O atacante foi contratado junto ao Real Salt Lake-EUA e firmou contrato até dezembro de 2023. Habilidoso e com grande senso de jogo coletivo, quando não marca, dá assistências, quando não é dia de brilho deixa em campo o empenho. Savarino, desde a chegada agradou o torcedor. Obviamente, oscilou em algumas partidas, mas é peça importante para a “quebra de linhas”, se Borrero ainda não se adaptou, Jefferson, em campo demonstra estar mais à vontade. Em muitas partidas, por variar ações por dentro e por fora no campo de jogo, “Sava” faz jus ao seu lugar no time. Savarino, sim, da Venezuela.

Resumo no BR20: 

 

  • Minutos jogados – 1509;
  • Jogos – 21;
  • Iniciando – 17;
  • Gols – 4
  • Assistências – 5
  • Equivalência minutos em jogos – 16,77
  • Média de minutos por partida – 71,86

 

5 – Zaracho – Maior contratação do Galo, dar tempo ao tempo

Bem recomendado, saindo com todo o carinho da torcida do Racing, assim chegou o argentino Matias Zaracho ao Galo. Com apenas 22 anos, o Atlético em outubro, investiu cerca de R$ 33 milhões no meia, a maior contratação da história do Atlético. Zaracho é alvo de grande expectativa do torcedor atleticano e apesar de poucos jogos, marcou um gol, justamente na goleada de 4×0 contra o Flamengo em BH. Sua estreia foi em 24 de outubro no empate de 0 X 0 contra o Sport. O argentino, que na maioria das vezes atuou pelo lado direito do meio-campo, ainda não teve uma atuação brilhante, mas demonstrou potencial para um possível sucesso. Na última partida contra o Coritiba, sofreu uma lesão muscular na parte anterior da coxa esquerda e saiu aos 15 minutos e está fora do time por tempo indeterminado.

Resumo no BR20: 

 

  • Minutos jogados – 458;
  • Jogos – 11;
  • Iniciando – 7;
  • Gols – 1
  • Assistências – 0
  • Equivalência minutos em jogos – 5,09
  • Média de minutos por partida – 41,64

 

6 – Eduardo Vargas – Chegou e deu a letra

Jogador de Copa do Mundo, ganhou da seleção espanhola, que à época em 2014 no Brasil era ainda a atual campeã. Não bastasse isso, driblou Casillas e marcou, sendo o melhor daquela partida. Campeão da Copa América em duas ocasiões (2015/2016) com o Chile de pouca tradição na competição continental, da Sul-Americana (2011), além de mais títulos e vários prêmios individuais. 

Porém, chegou ao Galo em novembro com a desconfiança do torcedor por não ter jogado bem no Grêmio. Contratado junto ao Tigres do México por cerca de 2 milhões de dólares, de onde saiu ídolo, Vargas estreou dando um passe de letra que culminou no gol de empate contra o Corinthians, marcado por Guilherme Arana. Em seguida, o Galo virou a partida e venceu pela primeira vez no Itaquera. O chileno fez ainda o gol da vitória contra o Athletico-PR por 1×0, partida na qual foi o destaque do time. Desde que chegou, atuou em todas as pelejas iniciando os jogos, deixando Sasha como opção de banco para Sampaoli.

Resumo no BR20: 

 

  • Minutos jogados – 416;
  • Jogos – 5;
  • Iniciando – 5;
  • Gols – 1
  • Assistências – 1
  • Equivalência minutos em jogos – 4,62
  • Média de minutos por partida – 5,09

 

O Galo tem seis estrangeiros, precisa transferir atletas para manter a “balança comercial favorável”, mas Sampaoli e o mercado global, não se alinham com os limites de atletas ainda estabelecidos. Num contexto atípico de pandemia, repensar as restrições pode ajudar a todos. Por ora, o Atlético “chove” em possibilidades, mas ainda vive os limites das competições nacionais. Orejuela é a mais nova possibilidade ventilada, mas não para por aí… Mundo global, regulamentos restritivos, impasses… Divergências ainda sem resolução.