Jogando mal novamente, Atlético dá outro vexame no Brasileirão

 

 

 

Jéssica Silva
Do Fala Galo, em Montes Claros
03/10/2019 – 00h05

Em duelo atrasado da 21ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Galo recebeu o Vasco, na Arena Independência, com o objetivo de vencer a segunda partida consecutiva e tentar amenizar a crise que se instalou no clube. Jogando mal mais uma vez, o time de Rodrigo Santana foi superado pela limitada equipe carioca e viu a derrota ser sacramentada aos 48 minutos do 2° tempo.

Ao contrário do que se esperava do visitante, o Vasco mediu forças com o Atlético desde o início e não demonstrou ter a intenção de recuar em nenhum momento. Entrando no jogo do adversário, o Galo pouco chegava e viu o time cruzmaltino oferecer muito mais perigo que ele no primeiro tempo. Levando em consideração o momento que vive o Vasco e o atual plantel carioca, ver o Atlético recuar para fazer o jogo do time visitante é algo inaceitável. Quantos de vocês já imaginaram seu time recuando para uma equipe que luta contra o rebaixamento? É a este ponto que o Galo chegou.

Atlético chegou a 7ª derrota em 8 jogos no brasileirão

No segundo tempo o Atlético conseguiu sair na frente com Otero, aos 14 minutos da etapa complementar. Lutando pelo resultado e jogando com mais merecimento, o Vasco chegou ao gol sete minutos mais tarde. Marrony foi atingido no rosto por Patric, o VAR revisou o lance e deu ao cruzmaltino a chance de igualar o placar. O gol da igualdade veio com o pênalti convertido por Rossi. O jogador não marcava um gol desde março e é mais um na lista de jogadores ressuscitados pelo Galo.

Aos 48 minutos Patric voltou a falhar e “deu” o gol da virada para o Vasco. Marcos Júnior dominou um cruzamento nas costas do lateral e mandou a bola para o fundo das redes, decidindo o jogo e dando a vitória ao cruzmaltino, que comandou a partida no Independência e conseguiu alcançar seu objetivo, graças à incompetência do Atlético.

A derrota passa pelos pés do Patric, pois o lateral participou diretamente de ambos os gols sofridos pelo time, mas é importante ressaltar que o revés não é apenas responsabilidade sua. Que Patric é limitado tecnicamente todos nós sabemos, porém, ele é o reflexo desse time. Em nenhum momento o Atlético jogou como uma equipe que almejava a vitória. Recuar jogando em casa contra uma equipe que luta contra o rebaixamento e não tem grande qualidade não é postura de um time que honra o trabalho que faz dentro de campo. A questão é que isso já não surpreende, pois perder virou rotina para os profissionais que vestem a camisa do Atlético. Uma rotina que não incomoda muito, já que, jogo após jogo, as desculpas são as mesmas e absolutamente nada é feito a respeito.

Luxemburgo soube envolver Rodrigo Santana e seus comandados, certamente por conhecer o fraco esquema tático da equipe atleticana. Hoje em dia qualquer equipe que disputa uma partida com o Galo acredita na vitória. Não temos mais a expectativa de melhora para a equipe. O desânimo visto em campo infelizmente está conseguindo contagiar as arquibancadas, algo que nem outros elencos em tempos também muito difíceis foram capazes de fazer.

Os jogadores que hoje representam a camisa alvinegra são o retrato da diretoria que os colocou ali. Falta o incômodo por não vencer, por não ser temido e por ser facilmente superado em tudo o que disputa. O Atlético está jogando mais uma temporada no lixo e os únicos preocupados com isso são os torcedores, que seguem firme apoiando a instituição, mas não podem colocar o dedo na cara do juiz, dar carrinho, ou correr atrás da bola. Faz muita falta ter quem nos represente de verdade dentro das quatro linhas e é inaceitável ver um clube da grandeza do Atlético ser o coadjuvante, o superado, o derrotado.

Há boas razões para temer que a sequência de derrotas se reinicie, já que o Atlético tem jogos muito difíceis pela frente. Pela limitação técnica e, acima de tudo, pela displicência e pela falta de comprometimento com o trabalho, é quase impossível imaginar que o Galo, com essa postura, possa tirar alguns pontos dos seus próximos adversários. Cabe a nós torcer para que a temporada se encerre o quanto antes e que o Atlético consiga se manter na série A para ter, no mínimo, a chance de fazer um 2020 menos vexatório.

 

Ficha técnica

Atlético-MG x Vasco

Motivo: 21ª rodada do Brasileiro
Local: Independência, em Belo Horizonte (MG)
Data: 2 de outubro de 2019 (quarta-feira)
Horário: às 19h15 (de Brasília)
Árbitro: Heber Roberto Lopes (SC)
Assistentes: Éder Alexandre (SC) e Johnny Barros de Oliveira (SC)
VAR: Rodrgio D’alonso Ferreira (SC)

Cartão amarelo: Juan Cazares, Nathan, Patric (Atlético-MG); Andrey, Raul (Vasco)

Gols: Rómulo Otero – 15’/2ºT (1-0); Rossi – 22’/2ºT (1-1); Marcos Júnior – 48’/2ºT (1-2)

Atlético-MG
Cleiton; Patric, Igor Rabello, Iago Maidana e Fábio Santos; Nathan, Elias (Geuvânio), Luan (Ricardo Oliveira), Juan Cazares (Vinícius) e Rómulo Otero; Franco Di Santo.
Técnico: Rodrigo Santana.

Vasco
Fernando Miguel; Yago Pikachu, Oswaldo Henríquez, Leandro Castan e Henrique; Richard, Raul e Andrey (Marcos Júnior); Marrony, Ribamar (Rossi) e Talles Magno (Gabriel Pec).
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

 

GOSTOU? Siga nossas redes sociais. Clique nos links abaixo e fique por dentro dos bastidores do Atlético.

Facebook: facebook.com.br/falagalo13
Instagram: instagram.com.br/falagalo13
YouTube: youtube.com.br/falagalo13
Twitter: twitter.com.br/falagalo13
Site: falagalo.com.br
Edição: Jéssica Silva
Edição de imagem: André Cantini