Bilionário ‘oculto’, conselheiro do clube e solidário: conheça Rubens Menin, empresário responsável pelo investimento de peso no Atlético-MG

 

 

Samuel Resende
24/06/2020 – 12h00
Clique e siga nosso Instagram
Clique e siga nosso Twitter
Clique e siga nosso YouTube

Clique e siga nosso Facebook

INSCREVA-SE NA TV GALO (clique aqui)

Contratações de peso, investimento de aproximadamente R$ 73 milhões desde que o futebol no Brasil foi paralisado e começo da construção do próprio estádio. Essa é a vida do Atlético em plena crise financeira mundial. Não é surpresa no mundo do futebol que o dono de todo esse dinheiro tem nome e sobrenome: Rubens Menin.

CLICA AQUI E SAIBA COMO GANHAR UMA CAMISA OFICIAL AUTOGRAFADA

Atleticano e conselheiro do clube, Rubens Menin Teixeira de Souza é um dos fundadores da MRV Engenharia, empresa que dará nome a Arena do Atlético pelos próximos 10 anos. Com os altos investimentos e até doações feitas ao Galo, incluindo o terreno do estádio, avaliado em R$ 50 milhões, Rubens já é carinhosamente chamado de Papai Menin pela torcida.

O empresário mineiro possui uma fortuna avaliada em aproximadamente U$ 1,8 bilhões (9,5 bilhões de reais), o que o colocaria na lista dos mais ricos do país facilmente. No entanto, veículos especializados como a Bloomberg Markets o consideram um “bilionário oculto”, por não aparecer em rankings.

Além da MRV, o mecenas é Presidente do Conselho do Banco Inter, CNN Brasil, LOG Comeercial Properties, Urbamais Desenvolvimento Urbano, Menin Douro Estates e Conselheiro na Abrainc. Somadas, o valor de mercado de suas empresas supera R$ 25 bilhões. Seu sucesso no ramo em 2018 chegou a altos patamares e fez com que a Ernst & Young (EY) o premiasse com o melhor empreendedor global.

Parceria

Com a crise financeira do outro lado da lagoa, é normal que a torcida do Atlético fique com certo receio pelos altos investimentos feitos nos últimos anos. Para se ter uma ideia, foram gastos 170 milhões em contratações desde o início do ano passado (com ajuda de outros parceiros). No entanto, o dinheiro que parte de Rubens não deve ser uma preocupação, pois, na maioria das vezes, ele é utilizado para comprar jogadores jovens e assim ter um retorno financeiro futuramente. Ou seja, o Atlético paga quando vender, sem juros e correção monetária. E se não vender? O próprio Rubens sai no prejuízo, como ele mesmo disse em entrevista a Fox Sports:

“Com relação à contratação de jogadores, é muito simples de entender. Faço o empréstimo ao Atlético para ele contratar determinado jogador. Está lá. O Atlético quer jogador para fazer um time bom, jogadores estão sendo bem escolhidos. Lá na frente o clube vende, ele me paga de volta. Sem juros, sem correção, sem nada. Se não vender, o que eu vou fazer? Vou para o prejuízo. Mas acho que vai vender, vai conseguir pagar as contas dele direitinho. Eu acho que vai ter muita premiação para ajudar o Atlético, muito público quando a pandemia deixar. Acho que o projeto que o Atlético fez é vencedor, é um modelo bacana”.

Mas o que há de bom para Menin nesse investimento? Afinal, não existe almoço grátis. É simples, além de amor ao clube, quanto mais forte o Atlético estiver dentro de campo, melhor para a divulgação da marca MRV. “O impacto de um time bom e competitivo, chega hoje a R$ 100 milhões por ano. É muito dinheiro. Então tem que ter time um competitivo. Por isso que eu acho que a gente fez esse esforço para trazer um bom técnico, um bom diretor de futebol, e a contratação de jogadores”, completou.

Alguns podem pensar que Rubens tem interesses administrativos com todo esse investimento, mas o próprio já desmentiu isso. Em entrevista ao programa Fala Galo na Rádio da Massa em abril, revelou que não quer ser presidente do clube e seu filho, Rafael, atual presidente da MRV, não teria tempo para ocupar tal cargo.

Solidariedade

Um dos criadores de uma clínica de saúde, Rubens se mostra solidário e já doou mais de 10 milhões de reais a ao projeto Cidade dos Meninos São Vicente de São Paulo. Além disso, também é um dos responsáveis pelo Instituto MRV, que promove projetos para estimular o desenvolvimento de crianças e adolescentes que vivem em comunidades em situação de vulnerabilidade social. Até hoje, já foram mais de 325 mil pessoas beneficiadas.

Durante a pandemia, a família Menin ainda doou R$ 10 milhões para compra de respiradores em Minas Gerais. Enquanto isso, a MRV, com participação efetiva de Rafael, fará parte da construção da casa de Clarinha, a “Princesinha de Jequitinhonha” que tem uma doença rara e sonha ter uma casa adaptada.

Menin, em formatura pela UFMG | Twitter @jogadoresgalo

Família e reconhecimento

Formado em Engenharia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Rubens Menin, de 64 anos, é casado e tem três filhos: Maria Fernanda, Rafael e João Vitor. Todos desempenham funções em algumas de suas empresas.

Além de empresário, Rubens já teve um blog no Portal Uai, no qual escrevia sobre economia, liderança e gestão, esporte, mercado imobiliário, política e meio ambiente. Sua última publicação foi em agosto de 2018.

O sucesso é tão grande que ontem, 23, um torcedor do Atlético, Jair Augusto, tatuou o rosto Rubens Menin em sua perna. Em postagem feita por Thiago Scap (tatuador) no Twitter, Jair Dayrell afirmou que iria realizar o procedimento. Após a “loucura”, afirmou que Menin é “a cara do Galo hoje em dia”.

Tatuagem feita pelo torcedor | Reprodução @ThiagoScap

O que podemos ver é uma parceira a longo prazo, com muitos sonhos e objetivos de ambos os lados, mas sem nenhuma “pilantragem” por parte do maior investidor em futebol no país. Agora, nos resta aguardar e torcer para que dê tudo certo, sem prejuízos para ninguém, e agradecer a Menin, por tudo que já fez e vem fazendo pela instituição Clube Atlético Mineiro.