No Horto, Galo vence o La Equidad

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

 

 

Jéssica Silva
Do Fala Galo, de Montes Claros
21/08/2019 – 02h15

O Galo alcançou uma vitória sobre o La Equidad, da Colômbia, na Arena Independência. Apesar de ter criado muitas oportunidades, a vantagem foi um triunfo simples, por apenas um gol de diferença. O Atlético seguirá em busca da permanência na Copa Sul-Americana na próxima terça-feira, jogando em Bogotá.

Já aos três minutos de jogo o La Equidad conseguiu o que talvez não esperasse receber tão cedo: a chance do gol. O árbitro assinalou pênalti de Elias em Motta, Camacho foi para a cobrança e bateu sem dar chances a Cleiton. A partir do momento em que sofreu o susto e se viu em desvantagem muito cedo, o Galo pressionou os colombianos e criou grandes chances de balançar as redes, mas como vem sendo comum, errou ao dar o último toque na bola.

O time do treinador Humberto Sierra não é um primor em termos de técnica, tampouco vive uma grande fase. Pelo desenrolar da partida, ficou claro que ter alcançado o gol tão cedo foi o ponto alto da atuação dos colombianos no Independência. O volume de jogo apresentado pelo Atlético faz com que a vitória por 2 a 1 seja um resultado muito inferior ao que poderíamos ter feito, já que o La Equidad contou com boas defesas de seu goleiro, mas também com muita sorte durante os 90 minutos.

A reação do Galo após sofrer o gol foi rápida. Chegando em velocidade, o time atleticano buscava alternativas para furar a defesa colombiana. Ricardo Oliveira e Cazares acertaram a trave em lances em que a bola inacreditavelmente teimou em não entrar, mas embalado pela Massa, o Galo não desanimou com as chances perdidas e seguiu pressionando.

Com quase meia hora de jogo, Igor Rabello ajeitou a bola e Jair empatou a partida no Horto com um belo gol. A insistência atleticana foi premiada e, vendo a disparidade entre as equipes em termos de criação, não foi difícil constatar que ir aos vestiários com apenas um empate estava ficando barato demais para o La Equidad. Se estava de certa maneira ajudando ao adversário, tal resultado não poderia ser bem aceito pelo Atlético, já que a obrigação de vencer era exclusivamente dos donos da casa.

Sob o comando de Rodrigo Santana, o Galo vem criando boas oportunidades em suas partidas. Ainda falta aquele capricho ao dar o último toque na bola, o que aponta que um treinamento mais focado em finalizações e cobranças de pênaltis fará com que a equipe funcione melhor, já que não conseguir “resolver”, mesmo que faça boas partidas, vem sendo o principal problema do Atlético hoje em dia.

Na etapa complementar, o Galo contou com uma ajuda extra de González, que foi expulso aos 10 minutos. A postura atleticana foi ofensiva, assim como no primeiro tempo, e os colombianos se concentravam apenas em sua defesa. Com um jogador a mais, era de se esperar que o Atlético pudesse desempatar a partida e chegar a uma boa vantagem o quanto antes, mas o Galo continuou esbarrando em falta de objetividade e até de sorte quando ficava cara a cara com o gol, inclusive no lance do pênalti.

Cazares assumiu a bronca, o que não faz sentido desaprovar. Na falta de Fábio Santos, que foi substituído momentos antes de a penalidade máxima ser marcada, deixar o camisa 10 assumir a responsabilidade parecia o mais certo a se fazer, já que o equatoriano vinha bem na partida e demonstrava confiança. Mesmo assim, mostrando que a fase do Galo quando o assunto é bater pênalti realmente não é boa, Cazares cobrou mal, Otero marcou no rebote, mas o tento foi anulado por invasão à área.

Há quem diga que Ricardo Oliveira deveria ter sido o responsável por decidir na marca da cal, mas analisando seu passado recente, inclusive cobrando penalidades máximas, não é possível cravar que a bola teria sido melhor batida por ele. Como um todo, os comandados de Rodrigo Santana precisam treinar finalizações e cobranças de pênaltis exaustivamente, pois a sequência de erros em lances decisivos vem nos custando gols importantes e bons resultados.

O gol da vitória veio dos pés de Elias, que fez grande partida. Eram as redes sendo balançadas por um volante mais uma vez. O meia bateu de fora da área quando ninguém esperava e colocou o Galo em sua merecida vantagem. A pressão após o gol da virada ainda aumentou, novas chances foram desperdiçadas, mas o Galo parou nos 2 a 1.

Com tantas oportunidades perdidas, vencer por um placar magro pode ser lamentado, mas não podemos esquecer que ainda se trata de uma vitória. A vantagem é muito mais frágil que o esperado, já que se criou toda uma expectativa antes do confronto por um grande resultado. O motivo para a frustração é claro: o Galo peca muito em finalizações e também em cobranças de pênaltis, o que só pode ser resolvido, volto a dizer, com treinamento. Criar, envolver o adversário e trabalhar bem a bola, que são os pontos mais difíceis, o Atlético vem conseguindo fazer, falta apenas a boa e velha objetividade, que faz toda a diferença no futebol.

Vale destacar o bom trabalho da equipe como um todo, mesmo que os homens de frente ainda deixem a desejar. A defesa está cada vez mais entrosada, fazendo partidas seguras, sem sofrer grandes sustos. No meio de campo, Elias e Jair fizeram um grande jogo e, sem dúvidas, foram os nomes do triunfo de ontem, não só pelos gols da vitória, mas pelo desempenho.

O Galo está no caminho certo em busca do caneco e deve continuar focado na Copa Sul-Americana, já que se trata da nossa melhor chance de conquista na temporada. Pouco a pouco, certamente Rodrigo Santana e sua equipe vão corrigir os erros que vêm nos prejudicando e assim apresentarão um desempenho melhor. Que o jogo na Colômbia seja mais proveitoso para o Atlético, não apenas com chances claras que ficam no quase, mas também com bola na rede. Vencer em Bogotá é o principal objetivo, a fim de conseguirmos uma classificação não apenas pelo regulamento, mas com bom futebol e propriedade.

FICHA TÉCNICA:

ATLÉTICO 2 X 1 LA EQUIDAD-COL

Atlético
Cleiton; Patric, Igor Rabello, Réver e Fábio Santos (Otero, aos 17/2°T); Jair (Alerrandro, aos 32/2°T) e Elias; Chará (Luan, aos 39/2°T), Vinícius e Cazares; Ricardo Oliveira
Técnico: Rodrigo Santana

La Equidad-COL
Diego Novoa; Walmer Pacheco, Danilo Arboleda, Jeider Riquett e Amaury Torralvo; Pablo Lima, Juan Mahecha, Stalin Motta, Palomeque (Mier, aos 25/1°T, depois Peralta, aos 28/2°T) e Camacho (García, aos 14/2°T); Ethan González
Técnico: Humberto Sierra

Gols: Camacho, aos 5/1°T; Jair, aos 27/1°T; Elias, aos 35/2°T
Cartões amarelos: Jair, aos 7/1ºT; González, aos 30/1ºT e aos 9/2°T; Fábio Santos, aos 33/1°T; Camacho, aos 12/2°T; Vinícius, aos 44/2°T
Cartão vermelho: González, aos 10/2°T

Público: 21.919 torcedores
Renda: R$ 522.090,00

Motivo: jogo de ida das quartas de final da Copa Sul-Americana
Data e horário: terça-feira, 20 de agosto de 2019, às 21h30
Local: Independência, em Belo Horizonte

Árbitro: Mário Díaz de Vivar (PAR)
Assistentes: Milciades Saldívar (PAR) e Roberto Cañete (PAR)
VAR: Daniel Fedorczuk (URU)

 

Facebook: facebook.com.br/falagalo13
Instagram: instagram.com.br/falagalo13
YouTube: youtube.com.br/falagalo13
Twitter: twitter.com.br/falagalo13
Site: falagalo.com.br

Edição de imagem: André Cantini

Angel Baldo

Mineiro de nascença, mas Paulista de criação. 30 anos, Administrador e Engenheiro Mecânico. Atualmente residindo na cidade de Uberlândia.

5 comentários em “No Horto, Galo vence o La Equidad

  • 21 de agosto de 2019 em 07:50
    Permalink

    Bom dia Angel e Atleticanos, mais uma vez o time do Atlético mostrou que seus atacantes não vem bem e como essa fase já perdura um bom tempo, o torcedor que não se iluda, iremos vivenciar tal situação até que haja mudanças no elenco e/ou comissão técnica.
    De positivo, além da vitória, o time encontrou um padrão de jogo que, se não solta aos olhos pela qualidade técnica, tem mostrado comprometimento, o que faltou em várias oportunidades este ano.
    Embora a vantagem seja mínima, considero que o Atlético tem plenas condições e a obrigação de vencer o time colombiano na na casa deles, pois são muito fracos. Saudações Atleticanas

    Resposta
  • 21 de agosto de 2019 em 08:16
    Permalink

    É incrível como esses pipoqueiros conseguem complicar jogo fácil, é impressionante como os atacantes não conseguem fazer um golzinho sequer, é impressionante não conseguir fazer gol de penalty sem o Fábio Santos.
    Enfim aos trancos e barrancos vamos chegar a final pois esse La Equidad e o Colón são fracos, mas e aí?? como vamos bater o Corinthians jogando essa bolinha??? tem que evoluir muito, esse ataque que não faz gols é uma vergonha!!! que pontas são esses?? que centro avante é esse??? precisa melhorar muito para conquistar o título.

    Resposta
  • 21 de agosto de 2019 em 09:32
    Permalink

    VOLUME DE JOGO SEM ESQUEMA TÀTICO DEFINIDO NÂO LEVA TIME NENHUM A TITULOS!Jogar com um centroavante de 40(quarenta!) anos tambèm nâo.Deixar o Geuvanio fora atè do banco nâo tem explicaçâo,pois na fase atual, pior que Charà e este tal de cazares com certeza ele nâo è.Viram como o luan entrou em campo?A explicaçâo do Geuvanio?para mim o entregador de camisas perdeu o controle total do elenco(se è que jà teve).E ATÈ QUANDO VAMOS TER QUE AGUENTAR ESTE TAL DE CAZARES NO TIME?o time colombiano quando viu a qualidade e “empenho” do time ficou totalmente confiante.sinceramente,nâo vejo futebol eficiente para classificar là fora.tem muita coisa esquisita no time que nâo tem explicaçâo.

    Resposta
  • 21 de agosto de 2019 em 14:32
    Permalink

    boa tarde massa. não dar para acreditar nestes peladeiros. estes peladeiros treina finalizações vai perder tantos gols na China.o pastor pipoqueiro não dar para acreditar neste aposentado de 40 anos. casares até quando vamos livrar deste cachaceiro. Otero se fosse bom não voltava para o galo péssimo e fominha. Rodrigo Santana é burro e estagiário não tem peito para tirar as parasitas do time. se formos eliminado pelo este time colombiano que seja todos demitidos. Aff.vai galooo.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *