Muito obrigado, Cazares. Ah! E desculpe alguma coisa, viu?

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

 

 

Max Pereira
Do Fala Galo, em Belo Horizonte
06/12/2019 – 9h

Em 21 de maio desse ano publiquei aqui no Fala Galo o artigo “QUANDO OS DEUSES DO FUTEBOL DESCERAM DO OLIMPO, VESTIRAM PRETO E BRANCO E CALÇARAM CHUTEIRAS”, uma ode ao talento e à magia.

Hoje, pedindo as bênçãos desses deuses fantásticos, esta coluna foge, com muito prazer, de sua linha editorial para homenagear o futebol arte e um artista da bola de origem humilde, simples e negro, que nasceu nos Andes equatorianos e que, depois de passar algum tempo em terras portenhas, veio parar nessas Gerais onde vestiu preto e branco para, entre bonanças e tempestades, desfilar seu talento e espalhar a sua magia pelos gramados mundo afora. Gente, PELEZARES joga no meu time.

A quem me perguntasse qual, na minha opinião, é o maior jogador estrangeiro entre os que vestiram o manto sagrado do Galo mais famoso e querido do mundo, eu sempre respondia sem hesitação: o uruguaio Hector Carlos de Los Santos CINCUNEGUI, o Deus da raça, aquele uruguaio que chegou ao Atlético em um momento em que o rival buscava roubar a hegemonia do futebol mineiro e a autoestima do galista andava em baixa.

Cincunegui simplesmente materializou tudo aquilo que o atleticano mais cultua: garra, raça, entrega, comprometimento, luta, amor à camisa. E, desde a sua estreia em um clássico contra o rival, quando foi o melhor em campo, parecia que ele era atleticano desde criancinha e que BH era a sua cidade natal, tal foi a sua identificação com a alma atleticana.

Passados muitos anos, o coração atleticano não apenas continua pulsando no ritmo da paixão mais louca e irracional que se pode imaginar, mas também voltou a “hablar”, frenético de prazer.

Eu soube disso no momento em que flagrei uma emoção indescritível, tão nítida nos olhos sem vida de um velho atleticano, cego devido a uma doença genética que, nas arquibancadas do Almeidão, conseguiu, com a alma e o coração, enxergar e gozar aquele golaço do Cazares. Perdão, Cincunegui. Comecei a rever os meus conceitos.

Ali percebi que aquele equatoriano, dono de uma frieza e de uma categoria que só quem é ungido pelos deuses é capaz de mostrar, era diferente, era mais uma manifestação divina em preto e branco.

Enquanto milhões de olhos e corações atleticanos o acompanhavam angustiados esperando o final apoteótico daquele lance, o craque andino deslizou sobre a grama, como se estivesse em uma pista de patinação artística, passou por um, passou por outro, quase levitando, e marcou o gol do desafogo, o gol da esperança. Um gol tão genial quanto simples (para ele, é claro). Jamais esquecerei desse gol e daquele brilho no olhar morto do velho atleticano.

Vale lembrar, uma vez mais, que, em seu Twitter, o atleticano Thiago Teodoro, com extrema felicidade, escreveu que se não “abraçamos” o Cazáres com os problemas que ele tem, vamos ser 11 “normais” em campo. 11 não! Alguns pernas de pau e alguns “normais”.

Eu que me sentia órfão de R10 via a vida recomeçar bela, mágica, lúdica.

Mas, o equatoriano não tem tido vida boa não. Mal orientado, deslumbrado com a fama, assediado por marias chuteiras belas e sensuais, cercado por amigos e “amigos”, Cazares se viu, por vezes, envolvido em polêmicas extra campo e estrelando noticiários à margem do futebol, inclusive em páginas policiais.

Com algumas atuações de fato irregulares, entremeadas por desempenhos fora dos gramados que suscitaram críticas, Cazares foi despertando um ódio incontrolado em parte da massa. Aquelas fotos ao lado de mulheres lindas e sensuais parecem ter sido o gatilho para uma intolerância sem limites.

A imprensa, por sua vez, cruel e sempre mais preocupada com a audiência e em vender jornais, é constantemente perversa com o jogador. Até houve um formador de opinião que sugeriu colocar tornozeleiras no craque, um palpite infeliz que, para muitos, era puro preconceito racial. É que as tornozeleiras são a versão moderna dos grilhões que os escravos usavam.

E se vc acha pouco, por vezes o craque ainda se viu atirado irresponsavelmente pelo comando em leilões ridículos e extemporâneos, além de, outras vezes, ter seu nome jogado no mercado como um ativo dispensável e indesejado. A diretoria que deveria tê-lo protegido, cuidado, blindado e orientado, muito contribuiu para que ele vivesse esses momentos conturbados, próprios de quem não tem estofo para a fama.

Mas, tal e qual uma fênix, o craque equatoriano sempre conseguiu ressurgir das cinzas e voltar a desfilar o seu talento ímpar. Quem não se lembra daquele gol contra o Flamengo, de uma beleza que só artistas como Van Gogh, Miquelangelo, Da Vinci, Velasques e outros gênios conseguiriam pintar?

Vale a pena descrever novamente: “Deslizando sobre a grama do Horto, quase levitando, frio como gelo, plástico, leve e sublime como Mikhail Baryshnikov, o maior bailarino de todos os tempos, Cazares, abençoado por Garrincha, encantado por Pelé, bafejado por Laci, iluminado por Reinaldo e enfeitiçado por Ronaldinho Gaúcho, fez renascer no atleticano a alegria e o orgulho de ser preto e branco na alma, no coração e na vida”.

Escrevi uma vez e escrevo de novo: “A imagem de Diego Alves, grande goleiro rubro-negro de raízes alvinegras, e de um zagueiro, caídos, prostrados, humilhados, impotentes diante do bailado do gênio equatoriano, vai ficar retida para sempre em minha mente e nas minhas retinas”.

Poderia ficar aqui descrevendo outros momentos sublimes do craque, como aquele gol fantástico do meio do campo contra o Grêmio em Porto Alegre ou aquela sua atuação de gala contra o Botafogo no Mineirão, quando fez três golaços e comandou aquela goleada há alguns anos.

Mas, este gol de Jair, contra o mesmo Botafogo e no mesmo Mineirão, resume tudo o que se poderia falar do talento de Cazares, o grande arquiteto da bola. Que o diga aquele jovem lateral botafoguense que ficou estatelado de costas no gramado, enquanto o craque bailava e dava mais uma de suas extraordinárias assistências.

Mas 2019 tem sido especialmente pesado para Cazares. Depois de se tornar pai duas vezes, de relacionamentos diferentes, e suscitar críticas e maledicências por isso, ele chegou até a ser acusado de estupro ou de tentativa de. Acusação confusa, não provada e finalmente arquivada, sem um pedido de desculpas daqueles que o massacraram e já o condenavam raivosa e prematuramente.

Para muitos, pouco importa que o gringo era e ainda é o segundo maior artilheiro estrangeiro da história do Atlético. Mais um gol e terá superado o grande Lucas Pratto. Outros tantos sempre se lixam para o fato de que o equatoriano é um dos líderes de assistência para gol do futebol brasileiro desde que aqui chegou.

Também nada interessa o fato de que Cazares é também o segundo artilheiro do Atlético na atual temporada e que o time só não marcou mais gols neste ano graças ao seu talento e à sua inventividade, em razão da má fase e da infelicidade dos centroavantes atleticanos e de outros jogadores que ele colocou na cara do gol e não conseguiram marcar.

Não é fácil jogar em times desajustados e irregulares, contra a incompetência dos dirigentes, contra os erros dos técnicos que o dirigem, contra os desacertos de seus companheiros de time igualmente pressionados por um ambiente hostil, contra as arbitragens, contra os adversários, contra a imprensa que o trata mal e, por vezes, o espezinha, contra as redes sociais, geralmente virulentas, contra o ódio e a intolerância de grande parte da torcida e contra suas próprias falhas, afinal ele é humano, e ainda assim ter atuações de destaque e brilho, além de se constituir no fator fundamental da fuga do Atlético do rebaixamento e da conquista da vaga na sul-americana de 2020.

Como é possível que atuações destacadas como essa diante do Timão domingo passado quase nunca são reconhecidas por muita gente?

Mais uma vez Cazares deu a volta por cima e chega ao final da temporada redimido diante da massa, que já pede que ele continue no clube. Espero que os comandantes alvinegros estejam escutando esse apelo da torcida que ecoou por todo o Horto e se espalhou mundo afora.

Que o Atlético e os atleticanos saibam entender o craque como ele é. Um ser humano falível como qualquer outro que merece ser abraçado e cuidado. E que o clube, para o seu próprio bem e do atleta, também o trate profissional e dignamente como o seu extraordinário futebol faz por merecer.

Não tenho dúvida nenhuma de que os deuses da bola certamente se encarnarão mais e mais vezes em preto e branco e habitarão o mundo atleticano. É praxe.

Mas, enquanto isso não acontece novamente, vamos continuar nos deliciando com o talento ímpar e com a magia do futebol de Cazares. Somos privilegiados e não se pode jogar fora um presente dos Deuses. Lembrem-se, a bola pune e os deuses zangados, então…

Agora um alerta: nem bem o Atlético sacramentou de vez a sua permanência na elite do futebol brasileiro, um recado é plantado na mídia e nas redes sociais. O Atlético teria recebido uma ótima proposta por Cazares vinda do exterior. Entra ano, sai ano, o papo é sempre o mesmo.

“Ei!?! Quanto ofereceram pelos direitos de Cazares?”
“E qual é o clube interessado?”
“Como? Não sabe?”
“Ah! Mas a proposta é muito boa!!!”
“Sei. Me engana que eu gosto.”

Porém, nada é mais casuístico nesse momento em que o equatoriano brilha e conquista o reconhecimento e a gratidão de muitos que gritam a uma só voz “FICA CAZARES”, que buscar quebrar a resistência da torcida à sua saída, criando a impressão de que seria um negócio irrecusável.

Cazares, a Pérola Negra do século XXI é, sem dúvida e, com as bençãos de Cincunegui, o mais destacado e talentoso estrangeiro que vestiu a camisa do Atlético.

Com arte e muito futebol ele, a exemplo do saudoso uruguaio, também está elevando a estima e orgulho do torcedor atleticano, porque mostra até ao mais cético dos galistas que existe poesia em preto e branco.

De minha parte só posso dizer: MUITO OBRIGADO, CAZARES. HÁ! E DESCULPE POR ALGUMA COISA, VIU?

 

GOSTOU? Siga nossas redes sociais. Clique nos links abaixo e fique por dentro dos bastidores do Atlético.

Facebook: facebook.com.br/falagalo13
Instagram: instagram.com.br/falagalo13
YouTube: youtube.com.br/falagalo13
Twitter: twitter.com.br/falagalo13
Site: falagalo.com.br
Edição: Ruth Martins
Edição de imagem: André Cantini 
Edição de texto: Angel Baldo

Angel Baldo

Mineiro de nascença, mas Paulista de criação. 30 anos, Administrador e Engenheiro Mecânico. Atualmente residindo na cidade de Uberlândia.

30 comentários em “Muito obrigado, Cazares. Ah! E desculpe alguma coisa, viu?

    • 6 de dezembro de 2019 em 13:22
      Permalink

      Ele. joga muito. Mas minguem está disposto a correr por. ele ..Como fizeram com o Bruxo..
      E nossa. imprensa gosta neste caso é de destruir e nao indeusar…
      Diferente foi com o bruxo..
      Vamos perceber seu futebol mesmo. quando estiver em outro clube e estivermos. um camisa 10 normalzinho

      Resposta
    • 6 de dezembro de 2019 em 15:24
      Permalink

      Quem se lembra do último treinador que tivemos? Erramos muito nessas escolhas, e pagamos um preço muito alto por esses equívocos! Para 2020 essa deveria ser uma das prioridades, flamengo é exemplo, chega de estagiários, ou treinadores ultrapassados!!!

      Resposta
    • 6 de dezembro de 2019 em 18:37
      Permalink

      Por um momento me vi diante do maior atleticano de todos os tempos: Roberto Drumond…na hora da tempestade se tiver uma camisa preta e branca no varal, o atleticano você contra o vento,,,,o vento perdeu!!!valeu Cazares!!!

      Resposta
  • 6 de dezembro de 2019 em 13:00
    Permalink

    Diga-se de passagem que Fred na época no Atlético quando o viu jogar já declarou esse é craque de bola.

    Resposta
    • 6 de dezembro de 2019 em 18:53
      Permalink

      Quem garante que esse jogador se tornou uma pessoa responsável? Outras vezes já fez algumas partidas boas e depois voltou a irresponsabilidade total.

      Resposta
  • 6 de dezembro de 2019 em 13:04
    Permalink

    Também acho o Cazares ao lado de Jair e mais alguns poucos que se salvam neste time do Galo, Marquinhos, Cleiton, Vitor, Guga (a pesar), Igor Rabelo, o Ramires, Luan, merecem continuar. Hora de renovar. Precisamos de diretores precisos, que sabem lidar com as diferenças e lapidar os diamantes brutos, conhecer o emocional dos jogadores em geral e trabalhar psicologicamente a natureza de cada um. Parabéns pela crônica, capacidade de criticar construtivamente é o que mais precisamos.
    Só vamos conhecer a base se tiver a oportunidade de vê-los jogar.

    Resposta
    • 6 de dezembro de 2019 em 21:49
      Permalink

      Tem um jogador no Goiás que daria certo no Galo2020!! O nome dele Michel, está jogando de mais carinha bem sofrido na vida, merece ser observado pela diretoria do Atlético. Daria certo para jogar ao lado de Casares os dois iam fazer muitos gols para o nosso Galo!! “Na minha humilde opinião é Claro!!!

      Resposta
  • 6 de dezembro de 2019 em 13:06
    Permalink

    Eu gosto de ler textos romantizados ou adornados como fazem os norte americanos. Eles não só escrevem mas descrevem cenários seja do clima da brisa como esse trecho: o sol quente de primavera acariciavam a suave brisa que passava preguiçosamente sobre a cidade …

    Resposta
    • 6 de dezembro de 2019 em 13:32
      Permalink

      Eu sempre comentei nos blogs do Galo defendendo o Cazares. É melhor investir em quem tem valor. O cara é um craque. Tem uns comentaristas com o Bob Fatia e o Henrique não sei que lá que não perdem oportunidade de critica-lo e ressaltar seus problemas. Fazem campanha contra e parte da torcida embarca. Sua crónica foi perfeita. Finalmente tenho visto as pessoas reconhecerem que ele só não tem mais assistências porque os jogadores que ele coloca na cara do gol são autênticos pernas de pau. Se o Roberto Drummond estivesse vivo, Cazares seria o objeto preferencial de suas crónicas todos os dias.

      Resposta
  • 6 de dezembro de 2019 em 13:13
    Permalink

    Texto bobo e infantil. “artista da bola de origem humilde, simples e negro, que nasceu nos Andes equatorianos”. E daí ser negro? Ou ter nascido nos andes? A origem pode ser humilde e simples mas Cazares é um cara arrogante e nem um pouco humilde. Trata-se de mais um jogador supervalorizado e que não liderou nenhuma grande conquista desde que aqui chegou. Embora receba um dos maiores salários do elenco, some na hora H e nos jogos decisivos desaparece. Jogador de mediano para bom. E pelo amor de Deus, “Pérola Negra do Século XXI”!!!!!!!!Jesuis!!!!!!!!! FORA CAZARES, ENGANADOR, PICARETA E ARROGANTE!

    Resposta
  • 6 de dezembro de 2019 em 13:57
    Permalink

    O QUE O IRRESPONSÁVEL RUI COSTA FEZ AO CONTRATAR OS GRINGOS CABEÇAS DE BAGRE , HERNANDES , MARTÍNEZ E DI SANTO É UM “CRIME” CONTRA OS COFRES DO C.A.M.
    ESSE SUJEITO NÃO PODE CONTINUAR DE FORMA NENHUMA , POIS SERÁ A DESTRUIÇÃO COMPLETA DO NOSSO GALO.
    VAMOS LÁ , EDUARDO E MASSA , PROTESTAR E EXIGIR A DEMISSÃO DESSE ELEMENTO NOCIVO AO NOSSO GALO , ANTES QUE O PIOR ACONTEÇA.
    FORA RUI COSTA.
    FORA RUI COSTA
    FORA RUI COSTA.
    FORA SETTE CÂMARA.
    DESCULPE , MAS ESSA CRÔNICA DO FALA GALO , NÃO CONDIZ COM A REALIDADE , DO C.A.M.
    A NOSSA SITUAÇÃO É DRAMÁTICA , DEPOIS DE UM ANO EM QUE FOMOS ELIMINADOS VERGONHOSAMENTE DE TODAS AS COMPETIÇÕES.
    É PRECISO MUDANÇAS PROFUNDAS , E SE NÃO COBRARMOS E EXIGIRMOS , O ANO DE 2020 SERÁ AINDA PIOR.
    VAMOS COBRAR MUDANÇAS E TÍTULOS FALA GALO.
    NÃO PODEMOS CONTINUAR COMO COADJUVANTES E SEMPRE HUMILHADOS POR DESASTRADAS ADMINISTRAÇÕES.
    AQUI É GALLÔÔÔÔÔ.

    Resposta
    • 6 de dezembro de 2019 em 17:54
      Permalink

      Essa crônica, de fato, fugiu ao escopo tradicional da coluna, não obstante pontuar os problemas do Atlético ao descrever tudo aquilo de ruim e tumultuado que vem marcando a passagem do equatoriano no Galo, que espero seja bem longa. Reconheci a sua irregularidade destaquei as dificuldades que são impostas ao jogador. E, ainda bem que ele, o segundo maior artilheiro do clube na atual temporada e o líder de Assistências do time, “só tenha acordado agora”, porque foi fundamental para o Atlético escapar da degola. Muito obrigado e um grande abraço.

      Resposta
  • 6 de dezembro de 2019 em 14:51
    Permalink

    Cazares é nosso craque e tem que permanecer!!!
    Agora, eu francamente não consigo entender uma coisa que me incomoda demais: falarem dos que se salvam no elenco (como um colega aí comentou) deixarem o Guga incluído, porém não reconhecer (como tanto fizeram com Cazares) o ótimo momento e superioridade do Patric sobre o fraquíssimo Guga!!! É muito “modinha”… Guga não tem futebol pra ser titular no Galo nunca!!! Já o Patric marca, dribla, corre, tabela, cruza, dá ótimas assistencias (como a cavadinha pro Luan) faZ gols, e os cara ainda preferem manter o Guga (que não faz absolutamente NADA) do que reconhecer o bom lateral que o Patric é!!! 10x melhor que esse inútil do Guga!! Patric sim, merece permanecer, não o Guga!!!

    Resposta
    • 6 de dezembro de 2019 em 18:04
      Permalink

      Patrick ótimo lateral fera, o meio também melhorou com a sequência do Zé welison não existe jogar sem volantes de pegada, não sei porque alguns os criticam, vão na onda da imprensa.

      Resposta
    • 6 de dezembro de 2019 em 18:51
      Permalink

      Gostei demais desta crônica; e concordo em que o Casares tem que continuar no clube, ainda mais com Gustavo Blanco, Jair e Marquinhos, voltando, temos que preocupar com a lateral esquerda e com um centroavante. E o Patric é um bom reserva.

      Resposta
  • 6 de dezembro de 2019 em 14:55
    Permalink

    Sai Ruim Costa!!!
    Alexandre Mattos (o melhor diretor do Brasil) está livre no mercado. Bora trazer ele pro Galo logo!!! Rui Costa é péssimo, Alexandre é inteligente, pretencioso, ambicioso e preciso nas contratações!!!!

    Resposta
  • 6 de dezembro de 2019 em 15:28
    Permalink

    Esse DI santo nem pai de Santo faz jogar.
    Ele é simplesmente horroroso !!!!!
    Dá onde saiu essa COISA ?

    Resposta
  • 6 de dezembro de 2019 em 15:30
    Permalink

    É só o final do ano chegar, Cachazares “acorda”, faz um par de jogos que não valem absolutamente nada (porque título já passou) e vem um monte de gente defender o rapaz.
    O talento e técnica dele são indiscutíveis. Porém, o maior inimigo dele é o próprio.
    Sinceramente, embora acredite sempre que ele possa acordar de vez e ser o maior 10 da América (sem fazer força), considerando o histórico, o venderia mantendo 20% para o primeiro time estrangeiro que quisesse.
    Quem já viu todos os empolgantes finais de ano dele deveria se lembrar dos atrasados inícios, dos embriagos meios… Pra mim já deu.

    Resposta
    • 6 de dezembro de 2019 em 18:04
      Permalink

      Aceitar a primeira proposta e agir sempre sob a pressão dos problemas financeiros e dos credores, tem sido o calcanhar de Aquiles do Atlético é motivo de regozijo dos empresários e dos clubes que se interessam por algum jogador atleticano e fazem alguma investida.
      Todas as variáveis têm que ser consideradas e colocadas na balança. Cazares só precisa de um ambiente equilibrado, menos ódio, mais tolerância, muita orientação, acompanhamento e muitos cuidados. Em um grupo mais qualificado, planejado e equilibrado, o seu futebol certamente dará mais resultados. Muito obrigado e um grande abraço.

      Resposta
      • 6 de dezembro de 2019 em 23:23
        Permalink

        Eu chorei com sua crônica.😐

        Resposta
  • 6 de dezembro de 2019 em 15:38
    Permalink

    Cazares é o único craque que o Galo possui. Tem que ser bem cuidado, não só pela diretoria, mas principalmente pelo próximo treinador que vai chegar ( Rogério Ceni meu preferido). Com seis contrações de qualidade e dispensas que todos nós sabemos quais são acredito que com o Ceni temos condições de brigar por boas coisas.

    Resposta
  • 6 de dezembro de 2019 em 15:59
    Permalink

    Engraçado que no ano jogou 05 (cinco) partidas boas, sendo 03 (três) ultimas do campeonato. Tá na cara que quer ser vendido.
    Pode sumir do Atlético!

    Resposta
  • 6 de dezembro de 2019 em 16:08
    Permalink

    Texto cheio de rebusco para um vagabundo igual o cazares… Joga muito mas é um peão, sem nada na cabeça e que veio conhecer a vagabundagem em terras mineiras. Na Argentina, ele era escurraçado por causa da sua cor de pele (lá são muito mais racista que no Brasil). Aí em BH virou rei e engordou 15 kilos….
    Escrever bonito assim, só r10 merecia… Ficou muito ruim…

    Resposta
  • 6 de dezembro de 2019 em 16:45
    Permalink

    Péssimo, que bobagem, falhou

    Resposta
  • 7 de dezembro de 2019 em 09:20
    Permalink

    Belas suas palavras, me emocionou muito, precisamos sim do Casares, e outra é o melhor depois de R10. Fica Casares, você é um ídolo da massa Atleticana e precisamos de você. Sempre faz a alegria do povo com sua genialidade.

    Resposta
  • 7 de dezembro de 2019 em 11:03
    Permalink

    Me deliciei lendo essa coluna, como a muito tempo eu não Lia.
    Meus parabéns, colunista!
    Sem dúvidas Cazares é um gênio da bola e temos o privilégio de tê-lo no Galo.
    Que Juanito tenha vida longa no Clube Atlético Mineiro!!!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *