Goiás x Atlético: esse jogo sangrou meus olhos

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

 

 

Por Carol Castilho / Revisado por Jéssica Silva

Pelo amor de Deus!

Se tem uma coisa que o torcedor odeia é empate com sabor de derrota. O jogo do último domingo no Serra Dourada, em Goiânia, sangrou os olhos de quem viu e os ouvidos de quem ouviu. 

Na boa, não me entra na cabeça jogador valorizar empate, é um pensamento muito pequeno para quem tem vontade de ganhar títulos, ficar no alto da tabela e etc. 

Enfim… Vamos saber o que as mulheres do Galo têm a dizer sobre este jogo chato! O ‘Arquibancada Feminina’ de hoje vai contar com a participação das atleticanas Bárbara Kimberly, Jéssica Silva e Karyne Teixeira, que fazem uma análise técnica desta pelada. 

Curta mais uma edição da ARQUIBANCADA FEMININA! CONFIRA! 

Bárbara Kimbelry

A torcedora Bárbara Kimbelry, de 22 anos, faz uma análise do primeiro tempo: “Foi um primeiro tempo apático, onde o time teve oportunidades para chegar ao gol do adversário, mas devido à falta de vontade e qualidade, não conseguia criar chances claras de gol. Foi um empate com gosto de derrota, pois o Galo não conseguiu ganhar em casa no jogo anterior”, analisa a agente financeira.

MELHORES EM CAMPO: “Igor Rabello (teve ajuda do fraco ataque do Goiás), Cleiton, que fez algumas defesas (não tão perigosas) e Martinéz, que estava firme na marcação”.

PIORES EM CAMPO: “Otero, Vina, Chará e Alerrandro. Todos do meio pra frente não criaram nenhuma chance de gol, o goleiro do Goiás nem sujou o uniforme. A única chance que teve foi a bola na trave do Alerrandro, que foi mais gol perdido que falta de sorte”.

Karyne Teixeira

A torcedora Karyne Teixeira, de 20 anos, faz uma análise do segundo tempo: “No segundo tempo o jogo ficou mais aberto. Foi onde tivemos nossa melhor chance de gol nos pés do Alerrandro, que acertou a trave. Chará até tentou algumas jogadas individuais, mas não fluíram tanto. O Goiás também foi mais perigoso, mas não provocou uma grande defesa do Cleiton. Na verdade, as duas equipes pecaram bastante naquele último passe. E quando conseguiam acertá-lo, a zaga bloqueava ou erravam a finalização. Foi um jogo igual e parelho, além de bem chato”.

A estudante explica o que podemos esperar do time nos próximos três desafios que vêm pela frente: “São jogos que o Atlético precisa vencer. O Botafogo porque, caso contrário, será eliminado. O rival e o Fluminense não estão bem no campeonato. Perdemos oportunidades de criar certa distância para os times fora do G4, e agora que eles se aproximaram, precisamos muito não desperdiçar mais os pontos. Espero que o time saiba da importância desses jogos e demonstre isso em campo”, finaliza a torcedora. 

A colunista do Fala Galo, Jéssica Silva, faz uma análise do comportamento da equipe e das alterações feitas por Rodrigo Santana: “O time se comportou como se o jogo em disputa não tivesse importância, como se perder ou ganhar os três pontos fosse irrelevante. Isso frustra o torcedor e chega a ser desrespeito. As alterações promovidas por Rodrigo Santana não fizeram tanto efeito, pois não houve bola na rede e é disso que vive o futebol. O nível do jogo melhorou no segundo tempo, é verdade, mas Geuvânio, Luan e Papagaio foram tão ineficazes quanto seus companheiros de time. Ameaçar, criar algumas oportunidades e não balançar as redes não pode ser visto como bom ou correto, que fique claro: obter posse de bola e não saber aproveitá-la não é o bastante”, explica a estudante. 

ARQUIBANCADA FEMININA

Carol Castilho: Neste momento, o que é mais importante: reforços ou mudança de postura?

Barbara Kimberly: “Reforços são sempre importantes, mas a postura em campo faz uma diferença e tanto, pois é ela que irá definir o resultado do jogo. Não adianta ter jogador de nome e o mesmo não demonstrar o seu potencial. Sabemos que agora será difícil vir algum reforço, mas já vimos que esse time pode mostrar muito mais em campo.”

Karyne Teixeira: “Acho que os dois. Sentimos falta de um meia central mais articulador, um bom ponta pela esquerda e um centroavante. Acho que não temos aquele jogador decisivo, sabe?! Que ponha a bola debaixo do braço e resolva, aquele que cresce em jogos grandes. Mas, além dos reforços para titularidade, acho que o time do Atlético precisa se revoltar mais com derrota/desclassificação. Acho um grupo que age com muita normalidade diante de resultados ruins. Além de sere bem desligado da partida, um time que se desconecta rápido do jogo. E isso, às vezes, te custa um resultado (Fortaleza), ou uma classificação (Cruzeiro).”

Carol Castilho: O que acontece com o Galo quando pega times de menor expressão?

Jéssica Silva

Jéssica Silva: “Assim como contra o Goiás, o Galo também encontrou dificuldades contra o Fortaleza, o que não deveria acontecer. Ao que me parece, os jogadores atleticanos escolhem quando vão ou não levar uma partida a sério. Jogar contra uma equipe de menor expressão e com menos qualidade pode fazer com que o time atleticano afrouxe e não tenha tanto empenho, o que nos leva à tecla na qual eu bato há bastante tempo: é preciso objetividade, comprometimento e respeito à camisa do Atlético. Em jogos como este, somente a vitória interessa e qualquer outro resultado não pode ser encarado como normal, não para um time com a grandeza do Galo”.

Jéssica Silva: “No momento em que estamos, acredito em mudança de postura. O Galo não está nadando em dinheiro e já investiu muito mais que o previsto para a temporada. Não vejo a falta de qualidade como o nosso principal problema, não que ela não exista, mas vejo a omissão, a falta de comprometimento e até mesmo a preguiça como pontos pra lá de negativos, que nos levam a jogos medíocres e resultados ruins em campo. As contratações já foram feitas, sendo boas escolhas ou não. Cabe a cada um ali dar o devido valor à camisa que veste, pois a mesma merece respeito!”

Quero agradecer a colaboração das torcedoras Bárbara Kimberly, Jéssica Silva e Karyne Teixeira. Muito obrigada por colaborarem com a coluna e pelo tempo reservado para fazer as análises. 

Então, torcedora, curtiu a participação?

 

Não deixe de interagir com o Fala Galo nas redes sociais! Estamos no FacebookTwitterInstagramYouTube e no nosso blog

 

CAZARES RECEBE SONDAGENS E RENOVAÇÃO COM ELIAS EMPERRA:

 

Angel Baldo

Mineiro de nascença, mas Paulista de criação. 30 anos, Administrador e Engenheiro Mecânico. Atualmente residindo na cidade de Uberlândia.

3 comentários em “Goiás x Atlético: esse jogo sangrou meus olhos

  • 30 de julho de 2019 em 07:53
    Permalink

    Muito boas as análises. Parabéns às meninas!!!

    Resposta
  • 30 de julho de 2019 em 15:50
    Permalink

    A diretoria estendeu o contrato do “cracaço” Nathan até o fim do ano sem perspectiva dele jogar. É ou não é um caso de polícia?

    Resposta
  • 31 de julho de 2019 em 06:53
    Permalink

    Quero deixar uma letra pra o Wilder da Live do Fala Galo de segunda passada. Você dizer que o Galo deve renovar com Elias porque ele é o que tem de melhor no meio campo, aí brow, cê tá de sacanagem. Nem parece atleticano. Se o Galo quiser almejar alguma coisa ainda esse ano, tem que se livrar desse péssimo jogador. Sugiro que essa diretoria incompetente ofereça ao Goiás, pelo Michael, que deixou o Elias com seu bundão no chão, Ricardo Oliveira, Fábio Santos, Patric e o próprio Elias e mais uns dois milhões de Reais.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *