Competência e força nos bastidores!

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

 

 

O que leva um clube a uma conquista, seja ela nacional, internacional ou até mesmo estadual? A primeira resposta que vem a mente diz respeito à qualidade do time. Certamente, um elenco forte, recheado de boas opções, aproxima qualquer agremiação das glórias.

Entretanto, há diversos outros fatores que levam um clube à conquista. Certamente você já viu equipes não tão favoritas levantando taças. Como explicar isso? Primeiro, o futebol de fato é uma caixinha de surpresas, possibilitando que times de menor expressão eliminem gigantes de competições importantes. São as chamadas “zebras” que, logicamente, além de exceções, não acontecem com tanta frequência.

Provavelmente você também já presenciou algum elenco forte, candidato a conquistar todas as competições, encerrar a temporada sem nenhum título. Começamos então a especular sobre o que ocorre fora das quatro linhas.

Um elenco com jogadores renomados pode ser bom apenas no papel. Quando o dia-a-dia no vestiário não é tão positivo acaba refletindo em campo e gerando resultados inesperados pelos torcedores.

Mas o ponto principal que queremos relatar é sobre o que não vemos. Queremos mostrar que além da importância de ter um time competitivo, ambiente agradável no clube e salários em dia, um ponto super importante são os bastidores, o que faz a diferença no futebol.

Por exemplo, algo que ainda está recente na memória do torcedor atleticano é a final do Campeonato Mineiro. Diretores da equipe rival fizeram enorme pressão sobre a Federação Mineira de Futebol (FMF), vindo a público até mesmo antes de o campeonato começar, informando o “rompimento” com a entidade.

Isso pode ter influenciado na decisão dos árbitros da final, que acabaram errando em lances capitais? Não sabemos e nem mesmo podemos afirmar, mas é algo a se pensar, uma vez que todo ano quando começa a competição, algum dirigente sempre vem a público pressionar, questionar e indagar que a federação tem camisa, o que gera várias dúvidas para as quais não conseguimos obter respostas.

Erros também aconteceram em outras finais, como no ano passado, por exemplo. Em 2018, uma dividida ríspida entre Otero e Edílson, lateral do rival, resultou na expulsão do meia atleticano. Contudo, o correto seria o cartão vermelho para ambos os jogadores – algo sugerido inclusive pelo quarto árbitro no momento do lance.

Mas a interferência não é somente dentro de campo, fatores que fogem das quatro linhas também podem ser decisivos, como a montagem das tabelas, por exemplo.

O Fala Galo fez um levantamento a respeito dos mandos de campo de Atlético e Cruzeiro, além de outros clássicos, no Campeonato Brasileiro. Desde 2010, o Galo mandou apenas dois clássicos no segundo turno do Brasileirão.

A última vez que o Atlético atuou em um clássico contra o Cruzeiro como mandante no segundo turno do Brasileirão foi em 2013. Ainda é válido ressaltar que em 2012 o Galo mandou o segundo clássico do Campeonato Brasileiro por força do regulamento.

 

Em 2011, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) decidiu colocar os principais clássicos do Brasil na última rodada do Campeonato Brasileiro. Quem atuasse como mandante na 38ª rodada do Brasileirão em 2011, atuaria como visitante em 2012.

 

Segue abaixo:

 

Grêmio x Internacional

– Dos nove clássicos gaúchos realizados no returno do Brasileirão desde 2010, o Grêmio atuou como mandante em cinco partidas.

– O mando de campo do GreNal no segundo turno é alternado: em um ano o Grêmio é o mandante no returno e no ano seguinte é o Internacional.

 

Corinthians x Palmeiras

– Dos nove clássicos realizados por Corinthians e Palmeiras no returno do Brasileirão desde 2010, o Timão foi o mandante em quatro.

– O mando de campo neste clássico também é alternado, mas a cada dois anos. Por dois Brasileiros o Corinthians é o mandante no returno, com o Palmeiras sendo o mandante no segundo turno nos dois anos seguintes.

 

Flamengo x Vasco

– Dos sete clássicos realizados por Flamengo e Vasco no segundo turno do Brasileirão, o rubro-negro foi o mandante em quatro oportunidades.

– Assim como o GreNal, o clássico entre Flamengo e Vasco também tem o mando de campo alternado. Em um ano o Cruzmaltino é o mandante no returno do Brasileirão, com o rubro-negro atuando em casa no ano seguinte.

 

Copa do Brasil

O Fala Galo também levantou quantos jogos Atlético e Cruzeiro decidiram em casa na Copa do Brasil desde 2010. Para este dado, levamos em consideração somente as vezes em que os dois clubes realizaram jogos de ida e volta.

Desde 2010 o Atlético decidiu 11 jogos em casa e 11 fora. Já o Cruzeiro foi o mandante do segundo duelo em 18 oportunidades, decidindo longe de Belo Horizonte oito vezes.

Inclusive, em 2014, quando Atlético e Cruzeiro fizeram a final da Copa do Brasil, o segundo jogo da decisão teve o rival como mandante.

A disparidade de quilometragem percorrida pelas equipes nas últimas dez rodadas do Campeonato Brasileiro também é algo questionável. Enquanto o Atlético viajará 5.574 km, o rival percorrerá uma distância de 4.208 km.

 

Coincidências ou não, achamos que está na hora de o Atlético frequentar mais vezes as salas dos poderosos que fazem as competições nacionais e internacionais. É necessário agir de forma idônea, mas não inocente, dentro e fora das quatro linhas.

É necessário cobrar transparência, entender o porquê de o Atlético ter viajado muito mais que o seu rival na fase de grupos do mesmo Campeonato Mineiro deste ano. Embora tenha feito um jogo a menos longe de Belo Horizonte, a equipe alvinegra percorreu 1.521 km até as cidades em que atuou, enquanto o rival viajou 1.175,5 km.

Por isso, insistimos: a diretoria atleticana deve cobrar, estar presente e não deixar que as mazelas do futebol aconteçam sempre com o Atlético.

É necessário e nossos dirigentes precisam fazer isso com veemência.

Lembro o ano de 2013, eram as oitavas de final da Copa Libertadores, Alexandre Kalil e o saudoso Eduardo Maluf pegaram um avião em Belo Horizonte e foram até a Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) solicitar um árbitro estrangeiro para a partida entre São Paulo e Atlético.

Por coincidências do futebol, até hoje fico me perguntando: “Será que um árbitro brasileiro expulsaria (corretamente) o zagueiro Lúcio (ex-capitão da Seleção Brasileira)?”

Nunca saberemos a resposta, pois os dirigentes alvinegros agiram de forma assertiva e se posicionaram nos bastidores – e venceram aquela batalha.

Nossa diretoria precisa fazer a sua parte, precisa estar presente dentro de todos os locais que fazem tabelas, regulamentos e torneios, exigir imparcialidade de todas as formas, entendendo que futebol não acontece somente dentro das quatro linhas, ele começa a ser ganho muito antes fora dele.

 

POR: Wilder Marcos e Stéfano Bruno

 

REVISADO POR: Jéssica Silva e Dayana Cunha

 

Inscreva-se no nosso canal no YouTube: youtube.com.br/FalaGalo13/

Angel Baldo

Mineiro de nascença, Paulista de criação! Fanático pelo Galo e pelo Fala Galo! Apaixonado pela minha família e Deus, o resto é mimimi!

13 comentários em “Competência e força nos bastidores!

  • 9 de maio de 2019 em 08:00
    Permalink

    Apesar das 4 vitórias a desconfiança da torcida se reflete na bilheteria o time vem de 4 vitórias e tem um jogão Domingo Galo x Palmeiras líder e vice líder e até agora só 15.000 ingressos vendidos.
    Na minha opinião isso acontece porque a torcida não é boba e estão cometendo os mesmos erros no ano passado.
    *Desprezando a Sul Americana.
    *Técnico Interino.
    *Dificuldade em contratar um bom técnico.
    *Mesmo elenco pipoqueiro e paneleiro.
    *Falta de camisa 10 e lateral esquerdo.
    *Victor precisando urgente de um bom preparador de goleiros.
    É o mesmo filme do ano passado e isso cansa e parece que a torcida cansou, para trazer de volta a torcida precisa de ATITUDE não cometer os mesmos erros e solucionar os problemas rapidamente essa diretoria só sabe empurrar com a barriga e vive de REMENDOS, O ATLÉTICO HOJE É CHEIO DE REMENDOS E UMA HORA ESTOURA.

    Resposta
    • 9 de maio de 2019 em 19:46
      Permalink

      Pablo de Oliveira, Victor precisando de treinador de goleiro é coisa de devoto de santo do pau oco, meu caro ali nem uns vinte treinadores dará jeito. O tempo passa para todos , até para a uva.
      O tempo em que ele era jovem e conseguia se sobrepor a sua deficiências já era, é daí para pior até acabar com toda sua carreira e sua fama de santo e ídolo.

      Resposta
  • 9 de maio de 2019 em 08:18
    Permalink

    Em 2016 ficaram na sede enquanto o São Paulo mexeu os palitos na Comenbol e fomos garfados contra o São Paulo em São Paulo e no Horto

    Resposta
  • 9 de maio de 2019 em 09:32
    Permalink

    Infelizmente temos um presidente aprendendo a ser presidente de clube. Voce não cosnegue nada com bom e barato e pior ainda, nem tanto barato e muito menos bom. O que foi pago pelo Chara, bom jogador, mas não valia nunca. Esse Bolt, que foi issso? Vinicius Goe? São essas coisas que mina um time. E como ter bastidores se nem diretor de futebol tinhamos. E agora que tem, esta tentandoo trazer Ozorio. E aquela conversa de austeridade economica? Tem razão da torcida esta retraida mesmo com as vitorias, tem muita coisa mal explicada e mal gerenciada.

    Resposta
  • 9 de maio de 2019 em 10:19
    Permalink

    Bom dia massa. competência e força nos bastidores isto a diretoria não tem a tempos. Ok esperar de uma diretoria que até hoje não contratou pelo menos um lateral esquerdo. como pode ser um clube igual galo pode ficar fora das 8 de finais da libertadores e sofrer para classificar na sulamericana,Aliás o torneio que o presidente renegou. não adianta vim Osório,Guardiola,Mourinho se os panelas estiver no galo. Se não vier um treinador e por as podridãoes no banco de reservas esquece títulos. Aliás se não vier reforços vá ser mais um ano de chacotas. Acorda diretoria. Vai galooo.

    Resposta
  • 9 de maio de 2019 em 11:30
    Permalink

    Bom dia!

    Cadê técnico? Cadê reforços? Acham que continuarão nos enganando! Estão naquela de esperar pra ver. E quando a coisa toda descambar, irão correr para apagar incêndio. Já vimos este filme antes! Diretoria medíocre e sem planejamento…! Sobre a matéria não creio que os fatores explicitados sejam determinantes nos dias atuais.

    Resposta
  • 9 de maio de 2019 em 12:02
    Permalink

    Apesar de achar que o Rodrigo Santana tem um futuro brilhante pela frente, ainda acho que para o momento o Galo precisa de um treinador com mais rodagem, pois, o problema do Galo é de ordem técnica, visto que para nos livrarmos do Vitor, Fabio Santos, Elias e Ricardo Oliveira, somente um técnico de renome terá a capacidade de dizer para diretoria que estes atletas já não tem mais condições para jogar em time que almeja ser campeão .

    Resposta
  • 9 de maio de 2019 em 12:03
    Permalink

    Apesar de achar que o Rodrigo Santana tem um futuro brilhante pela frente, ainda acho que para o momento o Galo precisa de um treinador com mais rodagem, pois, o problema do Galo é de ordem técnica visto que para nos livrarmos do Vitor, Fabio Santos, Elias e Ricardo Oliveira, somente um técnico de renome terá a capacidade de dizer para diretoria que estes atletas já não tem mais condições para jogar em time que almeja ser campeão .

    Resposta
  • 9 de maio de 2019 em 13:13
    Permalink

    Bom Dia,

    Excelente o levantamento, a muito tempo atrás em outro blog, escrevi sobre este assunto.
    A tabela de 2015,2016 e 2017 onde o Corinthians foi beneficiado pela tabela nas 6 primeiras rodadas, onde jogou fora contra duas equipes que haviam subido da série B, em casa com duas equipes consideradas fracas naquele ano + Chapecoense em 2017 e um clássico em casa. Este mesmo roteiro se repetiu em 2017 e em 2018 ocorreu a mesma formula campeã, com o Flamengo.
    Se a equipe conseguir os pontos nestas partidas nos primeiros jogos, trás uma certa tranquilidade para o trabalho nos jogos futuros, é só observar o que esta acontecendo com o Galo neste ano, 3 jogos contra equipes que não são consideradas favoritas e estamos pelo menos mais tranquilos para trabalhar para os próximos jogos, se fossem 6 jogos contra equipes menores, melhor ainda.
    Em contra partida os rivais destas equipes beneficiadas naqueles anos só pegaram pedreira, de preferencia jogos contra as equipes que se prepararam para jogar a libertadores.
    Acredito mesmo que começa a se ganhar um campeonato exatamente no momento de se fazer a tabela, existe todo tipo de manipulação, e politicagem também é uma coisa que nunca faltou na CBF.
    As diretorias do Galo sempre foram de conflitar com a CBF diferente de outros que procuram colocar eis diretores para fazer parte da entidade esperando assim ser beneficiado em algum momento. É fato.

    Resposta
    • 9 de maio de 2019 em 13:32
      Permalink

      O presidente é omisso dificilmente ele vai se preocupar como o Clube esta sendo tratado pela FMF – CBF – CONMEBOL.
      Galo 🌟 Sempre!

      Resposta
  • 9 de maio de 2019 em 14:07
    Permalink

    Sette Camara, Lazaro Candido, cada um mais incompetente que o outro.
    Eder e Marques participando da Comissão e não servem nem pra “”Soprar”” certo.
    Como pode o Galo Contratar Bolt,Vinicius, Jair, Guga……
    E o PAPAGAIO, que fim levou?Levantaram uma perspectiva em cima dele e as Forças Ocultas estão impedindo-o de ser lançado? É muita incompetencia¹¹

    Resposta
  • 9 de maio de 2019 em 15:09
    Permalink

    Mais no caso da Copa do Brasil, é sorteio dos mandos de campo. Acho que devem parar com a mania de vira-latas, achar que todo mundo quer roubar o seu time. O Cruzeiro já foi roubado demais, contra Corinthians, Flamengo e Vasco. Isso tem com todo time. Não acho que tem um compô. É incompetência mesmo do juiz.

    Resposta
    • 9 de maio de 2019 em 16:42
      Permalink

      Isso mesmo, Paulo Fialho. No sorteio apenas o acaso influencia. Fiquei a lembrar daquele deputado que ganhou mais de 300 vezes na loteria…. sortudo!!!

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *