Como estamos e até onde vamos, Galo?

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

 

 

Por Léo Siqueira

Ao iniciar o Brasileirão de 2019, novamente com um treinador interino, acredito que todo atleticano se viu no mesmo filme de 2018. Disputando ainda a Copa do Brasil e sem se classificar na Libertadores, tendo que jogar a Sul-Americana, não teria como não associar os acontecimentos do ano anterior ao ano que estamos presenciando, porém, a história vem sendo diferente.

Mesmo precisando de reforços, a equipe conseguiu ser mais organizada com Rodrigo Santana, porém, sentiu a falta de tempo para treinar. Ainda assim, iniciou bem o Brasileirão, vencendo mesmo que sem convencer em alguns jogos e só perdendo para aqueles que realmente são “ossos duros de roer”.
Na Copa Sul-Americana, enfrentou uma equipe desconhecida, mas que demonstrou ser bem organizada. O Unión La Calera deu trabalho, mas o Galo lutou, teve raça, demonstrou mesmo querer e se classificou daquele jeito, que é sofrido, mas que deu um sabor, um aroma especial.

Na Copa do Brasil, um Santos chamado por alguns de “revolucionário”, o time que ganha e encanta, foi quem o Galo venceu de virada, na raça, na alma, engolindo o adversário em pleno Pacaembu e se classificando mais uma vez daquela forma suada e dramática.

Não era bem o cenário que a maioria imaginava após ver a demissão de Levir Culpi e uma equipe que se arrastava em campo, sem organização alguma. Mas aquele cenário passou, evaporou e hoje, mais ajustada, ainda que falte um pouco mais de equilíbrio, a equipe nos permite sonhar. Mas sonhar com o quê?

Sonhar com novos ares, após um tempo difícil. Sonhar com novas conquistas. Sonhar, mas acordado e de olho na realidade. Para sonhar e buscar realizar, é necessário trabalhar e trabalhar muito. Dessa forma, o Galo vem buscando boas alternativas para reforçar a equipe após a parada para a Copa América e seguir na luta pelo sonho de conquistas. Na retomada dos jogos oficiais, teremos de cara o clássico contra o CEC, pelas quartas de final da Copa do Brasil. Um adversário em crise institucional, cheio de problemas nos bastidores e que vive em maus lençóis no Brasileirão, figurando na zona de rebaixamento.

Nada disso entra em campo. Clássico é clássico e o Galo precisará se preparar bem para vencer este duelo, mas claro que dá para tirar proveito do mau momento do lado de lá, porém, o ideal é focar no que temos que fazer em campo. Será uma guerra e para buscar essa vaga os nervos precisarão estar em dia e a espora bem afiada.

Pela Sul-Americana, aquele adversário que temos engasgado na garganta. O Botafogo tem sido pedra no sapato atleticano nos últimos tempos, sempre nos eliminando, mas isso não é uma regra, tampouco uma lei. O Atlético tem uma equipe melhor, possui sim mais qualidade e se levar a sério a competição, que sem dúvida nenhuma é a que nos dá a maior possibilidade de título, conseguirá afastar esse fantasma e passar por cima do Botafogo. Time para isso nós temos.

O Brasileirão já é um sonho mais difícil. Temos que sonhar sim, trabalhar e buscar, mas precisamos também ser realistas. Por mais que só tenham se passado nove rodadas, tendo ainda mais 29 a se disputar, é difícil imaginar que o Palmeiras, com todo o seu investimento e sua regularidade, perca a mão e, consequentemente, esse título.

Já disparado, nove pontos à nossa frente, o Palmeiras vai de cara para o vento sem ser muito incomodado. Como disse, vamos lutar, trabalhar para chegar ao título, pois o Galo tem sempre que entrar em uma competição para ser campeão, não somente para competir, mas cientes de que hoje, com o elenco que temos e com uma certa reformulação sendo feita dentro do futebol do Atlético, nossa luta é por uma vaga no G4 e ir aos poucos retomando a força ideal para buscar mesmo de igual para igual disputar a taça de campeão brasileiro.

“Lutar, lutar, lutar, com toda a nossa raça para vencer” e “vencer, vencer, vencer, este é o nosso ideal”, estes são trechos do nosso hino que precisam ser honrados pelos atletas que envergam o manto atleticano, para que assim a busca de um sonho se torne realidade, seja na Sul-Americana, na Copa do Brasil ou no Brasileirão.

Sonhar sempre, lutar bastante e desistir jamais!

 

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS
Instagram: instagram.com.br/falagalo13
Facebook: facebook.com.br/falagalo13
Twitter: twitter.com.br/falagalo13
Youtube: youtube.com.br/falagalo13

 

Revisado por Jéssica Silva (twitter.com.br/jeatleticana)

Angel Baldo

Mineiro de nascença, mas Paulista de criação. 30 anos, Administrador e Engenheiro Mecânico. Atualmente residindo na cidade de Uberlândia.

10 comentários em “Como estamos e até onde vamos, Galo?

  • 26 de junho de 2019 em 07:30
    Permalink

    Bom dia amigos do Galo. Gostei muito da entrevista do presidente Sette, acho que ele está no caminho certo ao promover mudanças no estatuto, frear o ímpeto de contratações que não cabem no orçamento do clube e demonstrar que não vai negociar jogador a qualquer preço. Em relação ao Guga, acho que ele é um jogador de boa tecnica e que ainda vai crescer muito no futebol. Rui Costa tem que correr atrás de um patrocinador para termos o Roger Guedes de volta. Não vejo futuro no NOSSO GALO para Ricardo Oliveira, Elias e Fábio Santos, seria um alívio na folha liberar estes três sem custo, deixar ele seguirem suas vidas longe do Galo.

    Resposta
  • 26 de junho de 2019 em 08:41
    Permalink

    O primeiro semestre foi satisfatório, na minha opinião nosso segundo semestre vai ser muito influenciado pelo resultado do clássico.
    Se passarmos chegamos a uma semi final de Copa do Brasil e com muita moral para as outras competições se perder vai ser o inverso pode abalar o time até para o difícil jogo contra o Botafogo.
    Por isso é partir com tudo para cima das marias e conquistar a classificação com muita Raça!!
    Saudações!!

    Resposta
  • 26 de junho de 2019 em 10:11
    Permalink

    Bom dia!
    Sinceramente, pensar o copo meio cheio em relação ao galo anda difícil. Ao que pese a falta de grana, esperava mais em termos de contratação, objetivando brigar realmente por títulos. Outras equipes com capacidade financeira melhor, se reforçaram com peças melhores do que já existia em seus elencos, neste sentido entendo que “qualificamos” o banco, mas não o time titular. Também com relação ao treinador, ainda não me convenci de sua efetivação, justamente neste momento de transição em que vive o galo, dependendo dos rumos que as coisas tomarem, poderemos queimar um promissor técnico em prol dos resultados, justamente porque o elenco é o mesmo, e joga no seu limite técnico, no meu entendimento. Já no retorno ouço algumas incoerências, a começar pela lateral direita, o Guga era titular, saiu para servir a seleção, foi campeão, e volta reserva do péssimo Patric. Alguns dirão: O Patric tem feito bons jogos…! Pórem é inferior tecnicamente do que o Guga, e no momento de acertar a equipe com um jogador melhor, você o manda para a reserva. A outra questão é o tal do Rui Costa, em entrevistas, afirmar que o galo não precisa de reforços, e que o elenco é qualificado. Ele deve estar certo, errado é a torcida que não entende que não há dinheiro para contratações objetivando formar equipes vencedores, e vamos vendo mais do mesmo. A realidade é muito chata, e minha paixão esvaindo…!

    Resposta
  • 26 de junho de 2019 em 11:05
    Permalink

    Otero não é reforço e outros 2 são apostas. O time não se reforçou e ainda não dispensou uma barca que ainda e infelizmente continuam lá . Questão : o que Lucas Cândido faz no Galo? Que trabalho bom hein, só treina … Nathan, teranz, maicon bolt, carlos Cesar , Vinicius … Ricardo Oliveira não tem a menor condição de continuar . Leo Silva já não aguenta jogos mais pesados . Isto tudo é planejamento e este Rui Costa não me passou confiança . Se não passar do Cruzeiro a casa cai, falta de Aviso não foi. Rodrigo Santana não está preparado,, era momento de tentar becaccece , Ariel holan ou o técnico do racing.

    Resposta
  • 26 de junho de 2019 em 11:21
    Permalink

    Chegamos à metade do ano empurrando com a barriga. Precisávamos nos qualificar melhor. Discutir renovação com Elias e manter Ricardo Oliveira, além de trazer um lateral pra disputar posição com Fábio Santos, é o fim, é desanimador. Diretoria incompetente, que ilude torcedor com essa conversa mole de estar atenta ao mercado.
    Outra coisa, há dez anos que Patric vem Patrícando, entregando a rapadura e agora que ele fez duas ou três partidas mais ou menos, já desbanca o Guga que foi servir à maldita seleção? É muita incoerência!!!
    Se esses gringos vieram pra disputar posição era melhor não ter contratado. Chega de jogador meia boca.
    Vida de negro e alvo é difícil!!

    Resposta
    • 26 de junho de 2019 em 11:45
      Permalink

      Concordo plenamente, Patric é reserva do Guga, Fabio Santos é um jogador caro que não ataca, não defende e não apoia e que já passou da hora de ser negociado ou liberado. Alias, não entendo os elogios e o apego dos diretores do Galo com este jogador.

      Resposta
  • 26 de junho de 2019 em 15:33
    Permalink

    boa tarde massa. no primeiro treino do time simplesmente o Rodrigo Santana colocou Patrick e Fábio Santos de titulares isto me preocupa. na minha opinião os titulares tinha que ser o Guga eo lateral esquerdo uruguaio. 99.99 por cento da torcida sabem que o patrick vive entregando jogos e Fábio Santos peladeiro simplesmente não tem condições de jogar no galo. uma pergunta para o rui costa e as barcas vão continuar a mamar no galo eo camisa 10.um atacante de lados,um zagueiro. vai galooo.

    Resposta
  • 26 de junho de 2019 em 16:46
    Permalink

    Estamos mal e não vamos a lugar algum.👎👎👎👎👎

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *