Começa a decisão: Ato 1, vai Galo!

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

 

 

Por Léo Siqueira e Fernando Hosken / Revisão: Dayana Cunha

No futebol, o tempo de 1 piscar de olhos pode ser crucial em um lance, principalmente quando se trata de uma decisão e mais ainda, quando essa decisão acontece em um clássico. Estando atento à isso e buscando estar com o psicólogo bem preparado para jogar um jogo que é uma verdadeira guerra, a vitória fica mais próxima de acontecer, mas claro, tudo isso aliado a um bom trabalho e muito empenho dos atletas dentro de campo. É dessa forma que gostaria de ver o Atlético entrando em campo nesta quinta-feira, às 20 horas no Mineirão, para iniciar o primeiro ato da fase quartas de final da Copa do Brasil contra o rival estadual, o CEC.

Após 27 dias sem um jogo oficial, por conta da Copa América, voltar a jogar de cara uma decisão de vaga, não seria o cenário ideal para nenhuma equipe, mas são coisas do futebol brasileiro e temos que encarar essa realidade. Se o tempo foi bom para que Rodrigo Santana, agora técnico efetivado, pudesse preparar a equipe ao seu modo de jogo, tira de certa forma um momento bom que a equipe vivia antes dessa pausa. De certa forma, foi bom também pela oportunidade de inscrever os novos reforços, principalmente do Otero que assim como Lucas Hernández e Ramon Martinez, poderão ajudar a equipe de agora em diante na competição.

Teremos agora, dois Clássicos de alto nível pela Copa do Brasil, entre Atlético e Cruzeiro, e vai ser espetacular! Será a quarta vez, que as equipes irão se enfrentar em competições de mata-mata. O clássico entre os dois clubes de Minas, sempre proporcionaram expectativas e emoções pelas competições organizadas pela CBF.
A primeira vez que os times mineiros se enfrentaram foi em Fevereiro de 1987. Nesse período, o Mineirão foi a casa escolhida para as partidas entre as duas equipes. As torcidas foram divididas, por quantidades iguais de ingressos, o conhecido, “meia a meia”.
Na primeira partida, o clássico recebeu 94.381 torcedores e na segunda, 90.190; o placar no primeiro jogo ficou 0x0, devido a grande atuação do goleiro Gomes do Cruzeiro, já no segundo jogo, o placar foi 1×1. Os gols foram marcados por Renato Morungaba para o Atlético e o volante Douglas descontou para o Cruzeiro. A classificação foi favorável ao Galo, que fez a melhor campanha no Campeonato Brasileiro, desse ano.
Em 1999, também pelo Campeonato Brasileiro, as duas equipes voltaram a se enfrentar, desta vez em play off pelas quartas de final. O CEC jogava por 3 resultados iguais para se classificar. Na primeira partida, com destaques para a dupla Guilherme e Marques, o Galo venceu pelo placar de 4 x 2, com dois gols do artilheiro Guilherme e dois gols do Marques. Os gols da Raposa foram marcados por Paulo Isidoro e Mulher. Na segunda partida, o Atlético venceu pelo placar de 3×2, com dois gols de Guilherme e o outro foi de Adriano. Os gols da equipe celeste, foram de Ricardinho e Müller. Nesse confronto de duas partidas, o Galo reverteu a vantagem do Cruzeiro e seguiu em frente na Competição.

O confronto de mata-mata em 2014 pela Copa do Brasil, foi sem dúvida, o de maior repercussão e com maior importância. O Atlético foi superior nas duas partidas decisivas. Venceu o primeiro jogo em novembro, no Independência, pelo placar de 2×0. Os gols foram marcados por Luan e Dátolo. O segundo jogo na decisão do título foi no Mineirão. O placar foi 1×0 para o Atlético, que conquistou o título inédito de Campeão da Copa do Brasil de 2014. Esse título foi tão especial, porque o Galo e o seu lema, “Eu Acredito”, superou seus rivais históricos, com viradas espetaculares e que mostrou que o Galo, realmente, “é o time da virada, é o time do amor”. O Atlético eliminou o Corinthians, Flamengo e Cruzeiro, os seus maiores rivais. O gol do título da Copa do Brasil na decisão contra o Cruzeiro, foi marcado por Diego Tardelli.

O Galo poderá sofrer algumas modificações na escalação para essa primeira partida; o zagueiro Leonardo Silva está no Departamento Médico em tratamento de uma lesão. O volante Adilson, foi liberado pela Diretoria do Clube, para tratar de assuntos particulares.
O rival está passando por momentos difíceis e com diretores em constantes conflitos. Resta saber, se essa situação vai influenciar no desempenho da equipe em campo. Um jogador que estava crescendo de produção, desfalcará o Cruzeiro, trata-se do meia Rodriguinho, que passará por uma intervenção cirúrgica na costela.
Acredito, que essa situação extracampo, não irá influenciar o desempenho do time azul em campo. O rival tem jogadores experientes e que querem dar uma resposta para os torcedores. E é bom os atletas do Galo entrarem com faca nos dentes, sabedores de que é um jogo que não se joga, se vence e que para vencer, não pode haver comodismo, não se pode piscar 1 segundo sequer.
Clássico é Clássico, sangue nos olhos, é comer grama! Tudo se resolve dentro de campo! Pra cima deles Galo! Determinação o tempo todo! Saudações Alvinegras!

Ficha técnica: CEC x Atlético

Motivo: quartas de final da Copa do Brasil.
Local: estádio Mineirão, em Belo Horizonte.
Data e horário: 11/07/2019, às 20:00 horas.

Atlético: Victor, Patric, Réver, Igor Rabello, Fábio Santos; Zé Welison, Elias , Luan, Cazares, Chará e Alerrandro. Técnico: Rodrigo Santana.

CEC: Fábio, Egídio, Leo, Dedé, Lucas Romero, Henrique, Ariel Cabral, Robinho, Thiago Neves, Marquinhos Gabriel e Fred. Técnico: Mano Menezes.

Árbitro: Raphael Claus.
Assistentes: ‪Marcelo Carvalho Van Gasse‬ e ‪Danilo Ricardo Diaz.

REFORÇOS, FUTEBOL FEMININO, FUTEBOL DE BASE, CONFIRA

 

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS E FIQUE POR DENTRO DOS BASTIDORES DO ATLÉTICO
Instagram: instagram.com.br/falagalo13
Facebook: facebook.com.br/falagalo13
Twitter: twitter.com.br/falagalo13
Youtube: youtube.com.br/falagalo13

Angel Baldo

Mineiro de nascença, mas Paulista de criação. 30 anos, Administrador e Engenheiro Mecânico. Atualmente residindo na cidade de Uberlândia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *