Atlético em 2019: austeridade, gastos equivocados e o péssimo desempenho em campo

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

 

 

Lucas Tanaka e Ángel Baldo
Do Fala Galo, em Viçosa e Uberlândia
04/11/2019 – 15h

Após assumir a presidência do Clube Atlético Mineiro, o atual presidente, Sérgio Sette Câmara, adotou um discurso de austeridade que, de fato, era necessário, já que as contas não fechavam e as arrecadações eram cada vez menores.

Sem dinheiro, e com um orçamento apertado, em tese, o correto seria contratar qualidade e não quantidade. É o velho e real ditado: menos é mais.

Sem um jogador decisivo e com vários atletas medianos, a folha salarial continuou cheia. Estima-se que o custo mensal de atletas contestados como Elias, Maicon Bolt, Geuvânio, Léo Siva e Zé Welison ultrapasse a casa de R$ 1,5 milhões de reais, quantia que certamente pagaria a cereja do bolo ou daria para trazer, pelo menos, dois jogadores da “prateleira de cima”. Se observarmos as partidas jogadas por esses jogadores citados, veremos que pouco agregaram ao time e, em alguns casos, até atrapalharam.

 

ESCOLHAS ERRADAS:

Felipe Jonathan contra o Atlético, na temporada passada – Imagem: Ceará

É importante lembrar que em março o Atlético esteve muito próximo de contratar o lateral-esquerdo Felipe Jonathan, de 21 anos, um dos destaques do Campeonato Brasileiro na última temporada. Porém, de última hora, o clube não aceitou pagar os R$ 6 milhões de reais solicitados pelo Ceará e o atleta acabou fechando com o Santos.

O curioso é que em menos de 90 dias o Atlético anunciou a contratação do lateral uruguaio Lucas Hernández, de 27 anos, por algo próximo dos R$ 12 milhões de reais.

Outro caso é o do lateral-esquerdo Jorge, também oferecido ao clube. O interesse do jogador em vestir a camisa do Atlético existiu, mas o clube não quis pagar as comissões e acabou perdendo o atleta para o Santos. Aliás, na temporada o Santos conseguiu “ganhar” três duelos com o Atlético: Jorge, Felipe Jonathan e Jobson.

 

O BARATO QUE SAIU CARO:

Maicon Bolt foi um dos contratados sem custos na temporada – Foto: Bruno Cantini

O Atlético contratou até o momento 11 jogadores e 7 desses vieram sem custos ou sem um valor pago as suas antigas equipes, porém, apenas Réver, Jair e Di Santo corresponderam até o momento.

Dos que vieram de “graça”, Maicon Bolt, Geuvânio, Wilson e Vinicius Vina não se firmaram. Vina até teve bons momentos e fez gols importantes, mas não conseguiu manter as boas atuações. O goleiro Wilson foi uma contratação emergencial, porém, cometeu falhas graves, comprometendo os resultados finais das partidas contra Flamengo e Grêmio.

Estima-se que o custo dos quatro atletas estão na casa dos R$ 1,2 milhões de reais mensais.

A austeridade é necessária e bem-vinda, só que é preciso ser feita da maneira correta. Não adianta encher o elenco com jogadores medianos e que não agregam. No final, o salário desses jogadores seria suficiente para contratar alguém capaz de decidir jogos, que chame a responsabilidade para si e que atraia o torcedor.

O resultado das escolhas erradas refletem diretamente no péssimo desempenho em campo. Jogadores sem qualidade dificilmente vão decidir jogos e a tendência é que os erros individuais, que comprometem os resultados, aconteçam aos montes.

 

GOSTOU? Siga nossas redes sociais. Clique nos links abaixo e fique por dentro dos bastidores do Atlético.

Facebook: facebook.com.br/falagalo13
Instagram: instagram.com.br/falagalo13
YouTube: youtube.com.br/falagalo13
Twitter: twitter.com.br/falagalo13
Site: falagalo.com.br
Edição: Ruth Martins
Edição de imagem: André Cantini
Edição de texto: Angel Baldo

Angel Baldo

Mineiro de nascença, mas Paulista de criação. 30 anos, Administrador e Engenheiro Mecânico. Atualmente residindo na cidade de Uberlândia.

7 comentários em “Atlético em 2019: austeridade, gastos equivocados e o péssimo desempenho em campo

  • 4 de novembro de 2019 em 18:42
    Permalink

    Nosso clube tem mais jeito não, nosso DNA é de perdedor mesmo pqp, n sei pra que estádio, vamos é passar mais vergonha

    Resposta
  • 4 de novembro de 2019 em 19:00
    Permalink

    È CLARO QUE TEM PROPINA NESTE NEGOCIO.SO TROUXA MESMO NÂO ACREDITA;E VOU REPETIR MAIS UMA VEZ:”CUIDADO COM O DINHEIRO DO SHOPPING,POIS TEM UMA QUADRILHA OPERANDO EM LOURDES”.

    Resposta
  • 5 de novembro de 2019 em 15:36
    Permalink

    Gostaria que essa gestão austeridade me explicasse esse prejuízo em jogar no Independência:
    https://globoesporte.globo.com/futebol/times/atletico-mg/noticia/atletico-mg-tem-prejuizo-de-quase-r-600-mil-em-jogos-no-horto-no-returno-do-brasileirao-2019.ghtml
    Desde de quando o Kalil fechou esse acordo com o Independência os diretores se gabavam de ter feito o melhor acordo.
    Passados 10 anos eu só vejo falando em prejuízo mas a diretoria nunca se posicionou para dar explicações afinal nunca teve uma gestão transparente no Galo.
    E tome PREJUÍZO:
    Atlético-MG tem prejuízo grande nos últimos jogos no Independência

    Adversário Receita Bruta – despesa Renda Líquida Tíquete médio
    Ceará R$ 47.121,00 – R$ 191.447,20 – R$ 144.326,20 R$ 7,68
    Vasco R$ 86.502,00 – R$ 201.765,81 – R$ 115.263,81 R$ 8,25
    Grêmio R$ 81.872,00- R$ 205.585,40 – R$ 123.713,40 R$ 6,31
    Santos R$ 104.562,00 R$ 206.042,51 – R$ 101.482,51 R$ 4,80
    ChapecoenseR$ 89.042,00- R$ 197.718,57 – R$ 108.676,57 R$ 4,67
    O que mais assusta é como a despesas no Independência são altas cerca de 200 mil por jogo, que acordo foi esse que fizeram?????

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *