Arquibancada Feminina: o bom filho a casa torna! - FalaGalo

Arquibancada Feminina: o bom filho a casa torna!

 

 

Carol Castilho
16/02/2020 – 07h30
Clique e siga nosso Instagram
Clique e siga nosso Twitter
Clique e siga nosso YouTube

Clique e siga nosso Facebook

O Aeroporto de Confins ficou pequeno com tanta festa!

“O ‘homi’ chegou?”

“Que demora! Meu celular vai descarregar e não vou conseguir gravar o Tardelli!”

Estes foram alguns dos comentários que ouvi pelos diversos canais do Galo que transmitiram a chegada de Diego Tardelli a Belo Horizonte. Foi uma verdadeira festa, que acabou enchendo o coração do torcedor de alegria.

Bom, desde que a “BOMBA” estourou e a confirmação do retorno de Tardelli veio pelo nosso presidente, em sua conta no Twitter, eu fiquei com uma música na cabeça que pode descrever este momento. Veja se você, assim como eu, se identifica com o seguinte trecho: “Mudaram as estações, nada mudou, mas eu sei que alguma coisa aconteceu, tá tudo assim, tão diferente… Mesmo com tantos motivos para deixar tudo como está, nem desistir nem tentar agora tanto faz, estamos indo de volta pra casa”. Essa música foi composta por Renato Russo e interpretada por Cássia Eller.

Bom, eu não sei vocês, mas eu estava sentindo falta de uma presença marcante no time do Galo, alguém que imponha respeito ao Clube Atlético Mineiro, porque no último ano esse planejamento foi molecagem e fez com que nós torcedores perdêssemos a credibilidade em nossa diretoria. Ouso até dizer que o que salvou nossa autoestima foi a queda do rival.

Enfim, o fato é que Diego Tardelli está de volta, enchendo os nossos corações. Estamos criando expectativas, e tomara que sua terceira passagem seja tão vitoriosa quanto as anteriores.

Vamos saber o que as mulheres do Galo têm a dizer dessa “nova” contratação. As torcedoras Regiane Santos, Mariana Capachi e Karyne Teixeira analisam o 7° reforço da temporada 2020.

 

ARQUIBANCADA FEMININA          

A torcedora Regiane Santos compareceu ao Aeroporto de Confins para recepcionar o ídolo e nos descreve o ambiente que encontrou: “Foi a primeira vez que fui recepcionar algum jogador. Vou falar, foi demais e o sentimento é inexplicável, uma sensação que só quem sente sabe. A pressão abaixou, pois, ver aquela massa inflamada, aquele povo preto e branco em festa gritando o nome dele… Sei lá, acho que posso falar com precisão por todos os atleticanos que o Tardelli é um ídolo incontestável”.

Em 2019 Tardelli optou por jogar pelo Grêmio. Durante a sua passagem surgiram algumas notícias de que o atleta estava sofrendo de depressão, o mal do século, e que teve desavenças com Renato Gaúcho, técnico do tricolor gaúcho.

Se é verdade ou não os motivos não foram devidamente esclarecidos, mas sabemos que seu rendimento não foi o esperado pelo salário que recebia.

Para a torcedora Karyne Teixeira, o retorno de Tardelli envolve o coração e a parte financeira: “Falando por mim, é inegável que tinha uma mágoa por tudo o que envolveu a sua ida para o Grêmio. Ele sempre declarava abertamente que só voltaria ao Brasil para jogar no Galo e alimentou isso constantemente nos torcedores. Quando voltou, não foi bem isso que ocorreu. Mas mesmo assim, vendo o seu desembarque não tem como não se emocionar. As duas passagens anteriores que ele teve por aqui foram marcantes. Óbvio que ele não será o mesmo de outrora, afinal de contas, já está com 34 anos. Mas a sua volta extrapola a qualidade em campo, tem a questão da liderança (que falta ao time hoje), além de toda uma sinergia com a torcida e um ânimo novo que pode oferecer à Massa. Tenho sempre muito cuidado ao falar da questão paixão e financeira de jogador. Acredito sim que o Tardelli tenha um carinho pelo Galo, mas ele é profissional. Jogar futebol é a profissão dele, e nós, torcedores, temos uma relação passional com o clube. O lado financeiro sempre foi importante para ele? Aparentemente, sim. E está errado? Não. E para sair do Grêmio e voltar, pelo que foi noticiado, ele topou uma redução considerável. Acredito que nessa fase da carreira, ele fez uma escolha em que o aspecto financeiro pode não ter sido o primeiro a ser analisado.  Independentemente do que foi levado em consideração em primeiro ou último lugar, acredito que todas as partes estão felizes e têm tudo para contribuírem um com o outro. Isso é o que mais importa”.

A volta de Diego Tardelli não é unanimidade entre a torcida e divide opiniões. Para Mariana Capachi, seu retorno é controverso: “O retorno do Tardelli é controverso para mim. Acho um jogador com uma idade já avançada que não condiz com a proposta de Dudamel e Rui de rejuvenescer o time. Ao mesmo tempo é um jogador que é ídolo da torcida e tem um passado glorioso no Atlético. A proposta de um time jovem e mais ágil não impede a contratação de um jogador mais experiente, que chame a responsabilidade, e Tardelli pode ser esse nome. Vindo pelo valor anunciado, com cláusula de remuneração por metas, acho uma boa contratação, mas não podemos esquecer que de 2013 e 2014 para cá já se passaram sete anos e não dá para esperar o mesmo Tardelli. Minha preocupação é justamente ele não conseguir apresentar um bom futebol como aconteceu em 2019, no Grêmio, e acabar manchando a história dele no Galo, principalmente com essa nova modalidade de torcedor tão imediatista. Eu perdi muito da minha admiração pela pessoa Tardelli durante todos os anos que ele brincou com o coração atleticano e a gota d’água foi quando ele escolheu o Grêmio pela proposta financeira. Mas hoje estou aqui não para criticar a pessoa Tardelli, e sim o jogador. Quando eu uso o argumento do futebol apresentado ano passado, as pessoas rebatem falando que o Tardelli é Galo, aqui é a casa dele e ele vai jogar com sangue nos olhos. O meu contra-argumento é o Hernanes, ídolo do São Paulo, que na sua terceira passagem pelo clube não rendeu o esperado. Pode dar muito certo? Sim. Ainda mais que é uma posição que estamos carentes hoje no Galo, ganharemos em experiência e poder ofensivo – os números do Tardelli favorecem essa visão. Apesar de um ano em baixa, seu histórico é um fator preponderante para acreditar em uma reação. E o fato dele ter a admiração da torcida é um incentivo a mais para o jogador.  Mas também pode dar muito errado, porque as pessoas ainda têm em mente o Tardelli do time do Cuca e Levir, e isso precisa sair da mente do torcedor. Foi outra época, outro time, outros treinadores com outras visões de jogo. O atleticano ancorou em 2013 e tem dificuldade de zarpar, mas é hora de navegar em novos mares, fazer uma nova história. Ele não seria hoje o nome que eu pensaria para a posição, mas Galo e Tardelli sempre deram “match”, pode ser a chance de uma boa temporada para ambos” relembrou a torcedora.

 

TRÊS MULHERES DIFERENTES, TRÊS OPINIÕES DISTINTAS, MAS UMA CERTEZA: TARDELLI CHEGA COM STATUS DE TITULAR E PODE INCOMODAR.

REGIANE SANTOS: “Bom, em tempos em que o nosso ataque está carente demais, não apenas eu, mas todos os atleticanos esperam muitos gols dele porque essa é sua marca.”

KARYNE TEIXEIRA: Para a estudante, “Dom Diego Tardelli” chegou com status de titular e pode incomodar: “Super titular, e isso independe da posição em que vá atuar. A (falta de) qualidade no nosso setor ofensivo é notória. A centroavancia talvez seja a posição que mais clama por um bom jogador, já que Ricardo está em decadência e Di Santo nunca teve uma carreira minimamente constante. Os pontas também não estão definidos. Marquinhos terminou o ano bem, mas assim como todo o time,ainda não encaixou em 2020. Otero lesionado. Hyoran não convence. Savarino ainda é uma incógnita” finalizou.

MARIANA CAPACHI: “Tardelli chegou para ser titular absoluto, já que hoje o Galo não tem atacante. Ricardo Oliveira não apresenta um bom futebol há mais de seis meses e, apesar de ter perdido a posição para o Di Santo, acho um erro continuar insistindo com o argentino. Tardelli chega para dar certa tranquilidade ao Dudamel, que ainda não conseguiu nesses sete jogos dar ao elenco uma cara de equipe. O momento do Galo é delicado, porque está se implantando uma nova filosofia que precisa do apoio da torcida para dar certo e, como citei, o imediatismo não permite. Se Tardelli chegar e mostrar 60% do futebol que ele tem já estará melhor dos que estão aí hoje, mas vale lembrar que ele costuma ser desagregador quando as coisas não estão lhe favorecendo. Acho que a vinda dele não ameaça ninguém, pelo fato de termos carência nas posições que ele joga, mas precisamos urgentemente compor o elenco. A vinda de um meia armador criativo é fundamental para que Tardelli tenha sucesso na sua passagem pelo Galo, caso ele jogue de centroavante. Jogando de ponta, precisaríamos ainda de um centroavante, ele sozinho não é solução. Agora é torcer para dar muito certo! Tá Tá Tá Tardelli neles!”

Quero agradecer a colaboração das torcedoras Regiane Santos, Karyne Teixeira e Mariana Caphaci. Muito obrigada pelo tempo reservado e pelas opiniões expressadas.

 

Então, torcedoras, curtiram as análises feitas na Arquibancada Feminina? Então fiquem ligadas em nossos pós-jogos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *