Análise: Avassalador, Atlético goleia o CSA – Arquibancada Feminina

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

 

Por: Carol Castilho

 

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS
Instagram: instagram.com.br/falagalo13
Facebook: facebook.com.br/falagalo13
Twitter: twitter.com.br/falagalo13
Youtube: youtube.com.br/falagalo13

 

Por pouco, amigos!

Por muito pouco tempo, por poucos minutos, eu diria, fomos líderes do Brasileirão 2019. O Atlético fez o dever de casa, venceu o fraco time do CSA por 4 a 0, na noite deste domingo, na arena Independência, em Belo Horizonte.

Para muitos foi a melhor partida do alvinegro até o momento. Desde o final do Campeonato Mineiro e o início do Campeonato Brasileiro, o Galo vivia um momento conturbado. Havia uma cobrança muito grande por contratações, constantes protestos da torcida (com toda razão), eliminação da Libertadores, técnico que ainda não temos , enfim.

A torcida vem recuperando aos poucos a sua autoestima e a confiança pelo time e sejamos bem sinceros, estamos rindo como nunca e sonhando como sempre.

Cada dia mais, Rodrigo Santana vem se tornando uma dor de cabeça para Rui Costa. O cara conseguiu a classificação para Sul-Americana e está conseguindo nos manter na parte de cima da tabela do Brasileirão. A vitória deste domingo nos deu mais confiança, de irmos fortes para São Paulo encarar o Santos e conseguir mais uma classificação, desta vez para a próxima fase da Copa do Brasil.

Vamos ouvir um pouco mais da nossa torcida apaixonada? A Arquibancada Feminina de hoje vai ouvir as torcedoras Jé Meireles, Joana Porto e Raquel Erika, que nos fazem uma análise do jogão do Galo pelo Campeonato Brasileiro 2019.

Curta mais uma edição da ARQUIBANCADA FEMININA

CONFIRA!

 

Mais uma vitória no Estádio Independência, com uma observação importante: SEM TOMAR GOLS. A torcedora Jé Meireles, de 27 anos, faz uma pequena analise do 1° tempo alvinegro.

“Hoje vi uma coisa que há muito queria ver o Galo fazendo: não ter medo de finalizar, ou buscar a finalização. Se não me engano, entre 25 e 35 minutos, o Atlético aplicou uma blitz no CSA que me deu gosto de ver. Não tiveram medo de arriscar e ir para cima. Injustiça seria elogiar apenas um jogador, hoje é dia de dar os parabéns ao coletivo. O time estava bem treinado, enxergando as possibilidades e fazendo uma marcação que não deu nem tempo do CSA pensar em como contra-atacar. Se tem algo tático que posso falar é: Alerrandro não pode ficar no banco. Desculpe-me, Pastor, mas o garoto tem uma fome de gol, mesmo que o dele não tenha saído contra o CSA, que chega a ser sacanagem ele ficar na reserva. O time todo foi impecável, zaga sem fazer faltas bobas e sendo cirúrgica quando acionada. Que gosto de ver como houve criação e uma movimentação precisa no campo. Acho que o único defeito do jogo foi ele acabar. Bora, Galo, se emplaca essa forma de jogar vão deixar a gente sonhar. Eu acredito sempre!”.

MELHOR EM CAMPO: “Pergunta difícil! O time jogou com uma unidade incrível, que façam disso uma rotina… Sei que muitos vão discordar e até me falar mal, mas pela segunda semana consecutiva vou de Patric. A evolução que ele vem mostrando é digna de aplausos. Poxa, deixem a birra de lado, vejam como o jogador vem mostrando que pode sim ser titular. Porém, outro que merece destaque é o Cazares. Filhão, se você jogar assim todos os jogos, a taça é nossa! Coloca a cabeça no lugar e mostra o que você sabe”.

PIOR EM CAMPO: “Não teve”.

 

A advogada Raquel Erika, de 24 anos, faz uma pequena análise do 2° tempo alvinegro.

“Gostei de ver que a entrega do time todo continuou no segundo tempo. Teve bola na trave, pedalada do Patricão, gol do Adilson e até oportunidade para a entrada do Bruninho, da base. Só não teve gol do Alerrandro, que, aliás, merecia demais. Victor só assistiu de camarote. Nem me lembrava como era vencer sem sofrimento. Talvez nem o atleticano mais iludido esperasse essa vitória com V maiúsculo”.

MELHOR EM CAMPO: “Chará, Cazares e Patric, nessa ordem”.

PIOR EM CAMPO: “Ninguém”.

 

A torcedora Joana Porto, de 25 anos, mostra sua visão sobre a vitória:

“O Galo não fez mais que sua obrigação, o adversário era um time que possivelmente brigará contra o rebaixamento e estávamos jogando em casa. O Galo passeou em campo, tinha caixa para mais, mas o jogo foi sensacional, nem passamos raiva”.

 

ARQUIBANCADA FEMININA: O que pensar sobre o ser chamado PATRIC? Ao mesmo tempo em que ele é odiado (por cometer tantos erros), é amado por sua entrega. Rola de pegar a vaga do Guga, ou isso é demais?

Raquel Érika, 24 anos, advogada.
“Sempre achei o Patric um bom reserva. Já recebeu duras críticas/xingamentos da torcida injustamente, e demonstrou ter muito caráter ao continuar se entregando e dando raça sempre que era escalado, sem reclamações. Nos últimos jogos, vem se destacando tanto na esquerda quanto na direita, vivendo seus dias de glória. Adorei ver que a torcida reconheceu isso e fez o nome dele ecoar pelo Indepa. Ainda assim, como disse anteriormente, o colocaria na reserva. Guga tem talento e precisa se desenvolver em alguns aspectos, e só vai ter condições de fazer isso como titular.”

 

ARQUIBANCADA FEMININA: Cazares na 98 FM: “Deixei o Luan cobrar a falta pra pegar confiança, ele bate bem no treino. Hoje não chutou bem. Na próxima que ele pedir, mando tomar no rabo.”

Luan não gostou desta declaração, pois ainda não marcou um gol no Brasileirão 2019. Esse tipo de “brincadeira” pode gerar mal-estar na equipe?

Joana Porto, 25 anos estudante de Nutrição.

“Não deveria causar mal-estar, foi apenas uma brincadeira do Cazares. Deve rolar muita zoeira entre eles isso deve ser alguma brincadeira interna, todos parecem ‘zoar’ demais.”

 

ARQUIBANCADA FEMININA: Estamos indo melhor do que imaginávamos, dá para sonhar com algum dos títulos que estamos disputando? Copa do Brasil, Sul Americana, ou Campeonato Brasileiro?

Jé Meireles, 27 anos, jornalista.

“Estão deixando a gente sonhar!

Mais uma vez, serei a do contra. Vejo que neste momento o Rodrigo Santana deve continuar o trabalho, sei que temos a mania de ser imediatistas, mas o trabalho que ele vem apresentando (principalmente em elevar o orgulho dos jogadores, em deixá-los jogar como gostam) é digno de continuidade. Acredito que se o time mantiver a maneira de jogar e com a chegada de reforços, podemos brigar para figurar no G4. Iludida? Talvez… Acreditando? SEMPRE.”

 

Quero agradecer a colaboração das atleticanas Jé Meireles , Joana Porto e Raquel Érika, muito obrigada pelo tempo reservado e análises feitas. Então, torcedora, curtiu a participação? Você também pode participar da nossa ARQUIBANCADA FEMININA, basta entrar em contato pelas redes sociais do Fala Galo.

 

Revisado: Jéssica Silva

Angel Baldo

Mineiro de nascença, Paulista de criação! Fanático pelo Galo e pelo Fala Galo! Apaixonado pela minha família e Deus, o resto é mimimi!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *